Mais Lidas

  1. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  2. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  3. Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

    Brasil

    Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de...

  4. Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

    Brasil

    Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

  5. Ministério Público aponta R$ 2,5 bilhões em fraudes no Bolsa Família

    Economia

    Ministério Público aponta R$ 2,5 bilhões em fraudes no Bolsa Família

  6. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  7. Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre caso de estupro

    Entretenimento

    Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre...

  8. Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

    Mundo

    Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

Investigado, chefe de gabinete do Trabalho é exonerado

Ministério afirmou que o pedetista Rodrigo Minotto pediu demissão para se candidatar a deputado estadual neste ano; ele está envolvido em uma investigação que apura irregularidades em convênios firmados pela pasta

- Atualizado em

Manoel Dias, ministro do Trabalho
Atual ministro do Trabalho, Manoel Dias(Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr/VEJA)

O ministro do Trabalho, Manoel Dias (PDT), exonerou do cargo o seu chefe de gabinete, o também pedetista Rodrigo Minotto. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União nesta quinta-feira. Para o seu lugar, Dias nomeou o secretário adjunto do PDT, André Roberto Menegotto.

Em nota, o ministério afirmou que Minotto pediu demissão para concorrer às eleições de 2014 como deputado estadual em Santa Catarina. No entanto, o nome dele aparece em uma investigação do Ministério Público Federal que apura supostas fraudes em um convênio firmado entre uma ONG catarinense e a pasta. Segundo auditoria da Controladoria Geral da União (CGU), o irmão do ex-chefe de gabinete, Roger Minotto, também filiado ao PDT, intermediou o repasse das verbas à entidade. O CGU informou que não há provas de que os serviços foram prestados.

Leia também:

Ministro pagou serviços ao PDT com verba de ONG, diz pedetista

Alvo da PF, Trabalho já repassou R$ 40 mi a entidades sem fins lucrativos em 2013

O caso foi revelado por um ex-dirigente do PDT, John Siever Dias. Ele disse ter recebido salário da ONG para realizar serviços partidários. Segundo Dias, o esquema foi montado pelo atual ministro.

Relatórios do Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE-SC) também apontam dano ao erário e favorecimento de três ONGs, uma delas ligada ao PDT, em convênios de 2,1 milhões de reais firmados pelo Estado de Santa Catarina, entre 2007 e 2010. As parcerias foram bancadas com recursos do Trabalho, com a participação de Minotto e a mulher de Manoel Dias, Dalva Maria de Luca Dias. Na época, ela era secretária estadual de Assistência Social, e Minotto, coordenador do Sistema Nacional do Emprego (Sine) no Estado. Os dois negam as irregularidades.

Segundo o CGU, houve aprovação de despesas "sem caráter público, ilegítimas e genéricas". No fim do ano passado, a corte enviou o caso para apuração do Tribunal de Contas da União (TCU) por se tratar de verbas federais.

Propina - O Ministério do Trabalho está envolvido em outro caso de suposta irregularidade referente ao recebimento de propina para a criação de um sindicato. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, a empresária do ramo de transportes Ana Cristina Aquino afirmou que pagou 200 mil reais ao ex-ministro Carlos Lupi como suborno para a formação do Sincepe (Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco). Exonerado da pasta sob suspeita de irregularidades em 2011, Lupi negou as acusações.

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Ministério do Trabalho
Corrupção