Mais Lidas

  1. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  2. Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

    Brasil

    Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

  3. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  4. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

  5. Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

    Mundo

    Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

  6. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  7. Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

    Entretenimento

    Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

  8. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

Entidades dizem que falta "legitimidade política" a Dilma para aumentar impostos

OAB, CNI, CNT, CNS e CNDL lembram campanha eleitoral, em que a presidente não falou sobre aumento da carga tributária

- Atualizado em

A presidente Dilma Rousseff na cerimônia de sanção do marco legal da ciência, tecnologia e inovação e lançamento da chamada universal, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF)
Aumento de impostos defendido por Dilma para equilibrar contas públicas é alvo de entidades de classe(Adriano Machado/Reuters)

O aumento da carga tributária pretendido por Dilma Rousseff para fechar as contas do ajuste fiscal, que inclui a volta da CPMF, levou o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) a articular com entidades de classe uma nota de repúdio que aponta que "falta legitimidade política para a Presidência da República propor medidas que aumentem a carga tributária no Brasil".

Além da OAB, subscrevem o documento a Confederação Nacional do Transporte (CNT), a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Confederação Nacional da Saúde (CNS) e a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL). As entidades lembram o programa apresentado por Dilma na campanha eleitoral de 2014, quando a presidente se reelegeu sem tratar "de aumento de carga tributária ou de criação de tributo durante a sua campanha eleitoral".

Os signatários do manifesto de repúdio ao aumento da tributação dizem enxergar o equilíbrio das contas públicas a partir de cortes de despesas, a redução dos juros e o estímulo à atividade produtiva.

LEIA TAMBÉM:

Dilma inclui receita com CPMF em Lei Orçamentária

Além do crescimento econômico, o documento também afirma que o desemprego deve "ser realmente a prioridade do governo e o aumento da carga tributária em nada colabora para alcançar tal propósito". Na semana passada, depois de o IBGE informar que a taxa de desemprego no Brasil subiu a 9% no trimestre encerrado em outubro, Dilma afirmou que "a grande preocupação do governo é o desemprego".

A presidente, no entanto, jogou sobre o Congresso a responsabilidade por medidas para sanar a economia e diminuir o desemprego. Ela defendeu que os parlamentares aprovem a recriação da CPMF, a prorrogação da Desvinculação de Receitas da União (DRU) e os juros sobre capital próprio e ganhos de capital. "Precisamos reverter a situação que leva à queda da atividade econômica, garantindo equilíbrio fiscal e volta do crescimento", disse.

(da redação)

TAGs:
Dilma Rousseff
CNI