Mais Lidas

  1. Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação Turbulência

    Brasil

    Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação...

  2. Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

    Esporte

    Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

  3. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  4. Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

    Brasil

    Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

  5. “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na residência de João Santana e Mônica Moura

    Brasil

    “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na...

  6. Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

    Entretenimento

    Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

  7. Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

    Entretenimento

    Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

  8. Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

    Brasil

    Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

Dilma viaja à Alemanha para discutir crise com Angela Merkel

Reunião acontece depois de a presidente acusar Europa de causar "tsunami monetário"

- Atualizado em

Dilma Rousseff durante a cerimônia de assinatura do Compromisso Nacional para Melhoria das Condições de Trabalho na Indústria da Construção no Palácio do Planalto, em Brasília
Dilma Rousseff durante a cerimônia de assinatura do Compromisso Nacional para Melhoria das Condições de Trabalho na Indústria da Construção no Palácio do Planalto, em Brasília(Ueslei Marcelino/Reuters/VEJA)

A presidente Dilma Rousseff será recebida na próxima segunda-feira em Hannover pela chanceler alemã, Angela Merkel, para falar sobre a crise mundial. Dilma participará do evento Tecnologia de Informação, Telecomunicações, Software e Serviços (Cebit). O encontro acontece após Dilma afirmar que a Europa provocou um "tsunami monetário" com suas medidas adotadas para enfrentar a crise. Na última quinta-feira, a presidente chegou a criticar a postura assumida pelos governos europeus "por não terem apresentado a devida rigidez fiscal".

"Lançam trilhões de dólares de forma perversa em direção ao resto dos países, sobretudo aos emergentes", afirmou Dilma, que ressaltou: "eles compensam essa rigidez fiscal com uma política monetária absolutamente inconsequente do ponto de vista do que ela produz sobre os mercados internacionais".

O que a presidente qualificou de "tsunami monetário" obrigou o governo a adotar diversas medidas para conter a forte apreciação do real frente ao dólar. A última dessas medidas para 'defender' o real e minimizar o impacto de sua apreciação na competitividade das exportações foi adotada na última quinta-feira, quando o governo publicou uma medida para estender a vigência da alíquota de 6% do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre empréstimos de curto prazo tomados em instituições internacionais.

Ao anunciar a decisão, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, justificou: "Os países considerados mais desenvolvidos estão emitindo dinheiro, mas para o setor financeiro e não para o consumidor. Esses recursos são aplicados em 'mercados mais sólidos'(como é o caso do Brasil)", disse.

O ministro também reiterou que esses movimentos geraram uma "guerra cambial" no mundo, e que o Governo brasileiro "não permanecerá impassível". Dilma viajará para Hannover durante a madrugada deste domingo e cumprirá sua primeira atividade oficial na segunda-feira, quando assistirá à abertura da Cebit, considerada a maior feira de tecnologia realizado no mundo.

Este ano, o Brasil participará pela primeira vez em qualidade de "país associado" e, por isso, instalou um pavilhão de mil metros quadrados para apresentar a atividade desenvolvida por 130 empresas públicas e privadas relacionadas à pesquisa tecnológica.

Segundo o governo, a maioria das empresas brasileiras que estarão no evento trabalha nas áreas de energia, agricultura e pecuária, biocombustíveis, educação, finanças, informática e telecomunicações, entre outras. Dilma comparecerá a inauguração da feira acompanhada dos ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota; Educação, Aloizio Mercadante; Comunicações, Paulo Bernardo; Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Raupp, e Planejamento, Miriam Belchior.

Após a abertura da feira, Dilma será recebida por Merkel, que oferecerá um jantar em sua honra antes de iniciar a reunião prevista. Segundo a agenda divulgada pelo Governo, na terça-feira, a presidente percorrerá os pavilhões da Cebit e já voltará a Brasília.

LEIA TAMBÉM:

Angela Merkel enfrenta desafio doméstico devido ao pacto fiscal

(Com EFE)

TAGs:
Dilma Rousseff
Angela Merkel
Crise do Euro