Mais Lidas

  1. Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por várias pessoas’

    Entretenimento

    Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por...

  2. Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

    Entretenimento

    Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

  3. Delação da Odebrecht 'vem como uma metralhadora ponto 100', diz Sarney em gravação

    Brasil

    Delação da Odebrecht 'vem como uma metralhadora ponto 100', diz...

  4. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  5. Janot defende legalidade de grampo entre Lula e Dilma

    Brasil

    Janot defende legalidade de grampo entre Lula e Dilma

  6. Produtores de ‘Game of Thrones’ ficaram chocados com três revelações do autor

    Entretenimento

    Produtores de ‘Game of Thrones’ ficaram chocados com três...

  7. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  8. Serra diz que Brasil é 'atacado' por causa do impeachment

    Brasil

    Serra diz que Brasil é 'atacado' por causa do impeachment

Planalto avalia 'descolar' imagem de Dilma da Copa

Governo teme que mau humor com a derrota para a Alemanha se espalhe para outros temas, como a economia, e tenha reflexo nas urnas, diz jornal

- Atualizado em

Presidente Dilma Rousseff levanta a Taça da Copa do Mundo junto com o ex-jogador Cafu, no Palácio do Planalto em Brasília`
Presidente Dilma Rousseff levanta a Taça da Copa do Mundo junto com o ex-jogador Cafu, no Palácio do Planalto em Brasília(Roberto Stuckert Filho/PR/VEJA)

Até agora, a presidente Dilma Rousseff vinha tirando proveito da onda de otimismo espalhada no país pela Copa do Mundo. Colou sua imagem à do sucesso do torneio até aqui - e não hesitou em usar o Mundial para atacar seus críticos, aos quais diversas vezes classificou como "pessimistas". O vexame da seleção brasileira nesta terça-feira, contudo, deve provocar uma guinada na estratégia da petista, que busca a reeleição. Reportagem desta quarta-feira do jornal Folha de S. Paulo informa que a equipe da presidente teme que o mau humor decorrente da derrota por 7 a 1 para a Alemanha no Mineirão contamine as expectativas dos brasileiros sobre outros temas, como economia - a inflação oficial ultrapassou em doze meses o teto da meta do governo -, e afetem a campanha de Dilma. Segundo o jornal, integrantes do governo chegaram a citar a expressão "descolar da Copa" em discussões sobre o jogo na noite desta terça.

Leia também:

A 'Copa das Copas' e o 'pior pesadelo' de Dilma

Logo após o jogo, Dilma procurou mostrar solidariedade à seleção. Em sua conta no Twitter, escreveu: "Assim como todos os brasileiros, estou muito, muito triste com a derrota. Sinto imensamente por todos nós, torcedores, e pelos nossos jogadores". E prosseguiu: "Não vamos nos deixar alquebrar. Brasil, 'levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima'".

Leia também:

No maior pesadelo do futebol do Brasil, Alemanha faz 7 a 1

'Sei como Felipão está se sentindo', afirma técnico alemão

Felipão lamenta a 'pane', pede desculpas e assume a culpa

Meia Toni Kroos atropela Brasil - e depois diz sentir 'pena'

Mas nos bastidores o clima passava longe do apoio. Segundo a Folha, membros do governo passaram a defender, minutos após a goleada histórica, uma mudança de rota na estratégia de associar Dilma aos sucessos da Copa dentro e fora de campo. O plano da presidente de entregar a taça ao vencedor do torneio, porém, está mantido por ora. O governo avaliava que uma derrota brasileira para os alemães seria assimilada como natural. O que ninguém no Planalto podia esperar era um placar tão humilhante. De acordo com o jornal, conforme os gols da Alemanha saíam, a equipe da presidente mudava seu discurso: da expectativa de assimilação da derrota para uma genuína preocupação com o efeito do pesadelo.

Leia também:

​Com 16 gols, Klose toma a coroa de Ronaldo em Mundiais

Veja a repercussão da derrota histórica do Brasil no exterior

Júlio César: 'Eles foram muito fortes, devemos reconhecer'

David Luiz pede desculpas: 'Queria ver meu povo sorrindo'

Além de descolar-se do Mundial, interlocutores da presidente avaliam que o governo deve assumir a linha de defesa da Copa como evento. Para evitar um fracasso duplo, a segurança nos estádios será reforçada - um revés na organização do torneio na ultima semana do Mundial é considerada como fatal para a imagem da presidente. O Planalto teme, ainda, a volta, com força, das críticas aos gastos com a realização do evento.

E o governo seguirá temeroso até sábado, quando a seleção brasileira disputará o terceiro lugar. Se a Argentina perder nesta quarta para a Holanda no Itaquerão, enfrentará o Brasil no Mané Garrincha. E uma eventual derrota brasileira poderia ampliar o impacto da goleada desta terça.

Leia no blog de Reinaldo Azevedo:

Qual é a última torcida que cabe à presidente? Por razões que o técnico argentino chamou nesta terça de "culturais" - ele se referia ao fato de que a imprensa de seu país comemorava o desastre brasileiro -, resta à nossa governanta torcer desde já para que seja a Holanda ou a Alemanha a vitoriosa. Ou lhe caberá a honra, depois de ter esconjurado os urubus, de entregar o troféu ao capitão da Seleção da Argentina.

Eu não acho que a derrota da Seleção fará o eleitor votar dessa ou daquela maneira. Não o subestimo assim. Isso não nega o fato de que o PT tinha planos para tentar fazer da eventual vitória uma arma para esmagar os adversários. Seria ineficaz porque, reitero, não é assim que se dão as coisas. Mas o Brasil ficaria um pouquinho mais incivilizado, matéria em que essa gente é craque.

É TOIS, DILMA!

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


TAGs:
Dilma Rousseff
Palácio do Planalto
Eleições