Detenção de integrantes da 'Mídia Ninja' prolongou os protestos

Depois de encerrada a manifestação no Palácio Guanabara, manifestantes foram para a 9ª DP protestar contra a prisão autoritária de dois jovens que filmavam o evento

Por: Carol Farina, Cecília Ritto, Pâmela Oliveira e Leslie Leitão - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Duas detenções feitas pela Polícia Militar fizeram o protesto do Palácio Guanabara, que poderia ter se dissipado às 21h, ser estendido até quase 23h desta segunda-feira. Os policiais deram voz de prisão a dois jovens que filmavam e transmitiam em tempo real o protesto, integrantes do grupo que ficou conhecido como Mídia Ninja (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação). Felipe Peçanha foi o primeiro detido. Logo em seguida foi capturado Felipe Assis.

As primeiras alegações da Polícia Militar foi de que eles estavam "incitando a violência". No entanto, na 9ª DP (Catete), nada foi comprovado, e os dois acabaram liberados, depois de cerca de duas horas na delegacia, pouco depois das 22h30.

Leia também:

Bomba é encontrada no Santuário de Aparecida

Exército vai barrar manifestantes em Guaratiba

Conheça o roteiro detalhado do papa Francisco no Brasil

O verdadeiro objetivo da prisão, segundo uma fonte da Polícia Civil afirmou ao site de VEJA, era o levantamento de dados criminais dos detidos - um procedimento autoritário. Na delegacia, os dois detidos tiveram os registros consultados. Caso fosse encontrado algum problema com a Justiça, ficariam presos. Como não havia impedimento, os dois foram liberados, mas deixaram de transmitir grande parte dos protestos.

As detenções causaram problemas para a própria polícia. Como a notícia se espalhou, manifestantes se concentraram em frente à delegacia, e passaram então a gritar palavras de ordem contra o governador Sérgio Cabral, a polícia e o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame: "Ei, Beltrame, sua polícia e um vexame!"

Primeiro a ser detido, Felipe Peçanha fez um pronunciamento em frente à delegacia. "Me impediram de fotografar, fazer vídeos e transmitir o que acontecia. Isso é um exemplo claro da ditadura velada que enfrentamos no Rio", disse.

Representantes do Mídia Ninja foram recebidos durante uma hora e meia pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes, na última sexta-feira, para uma entrevista inédita: em vez de um grupo de jornalistas de uma empresa de comunicação, o prefeito falou a um grupo que surgiu nas manifestações. O prefeito conseguiu, assim, sair ainda mais do foco dos protestos, deixando o governador Cabral no olho do furacão.

Apesar da ausência da Mídia Ninja em grante parte do protesto da noite de segunda-feira, outro grupo assumiu a função de transmitir a manifestação em frente à delegacia. Dentro do site bambuser.com, uma publicação criada com o nome de 'papafolia' transmitiu o tumulto e os protestos em favor da Mídia Ninja.

TAGs:
Papa
Papa Francisco
Rio de Janeiro
Protestos