Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

  3. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  4. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  5. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  6. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  7. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

  8. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

'Profeta do caos', Delcídio classifica Mercadante como 'amigo da onça'

Em entrevista a jornal, senador afirma que "todo mundo sabe" de suas desavenças com o ministro da Educação no Senado e ironiza Edinho Silva

- Atualizado em

Delcídio do Amaral
O senador Delcídio do Amaral, um dos delatores da Operação Lava Jato(Wilson Dias/Agência Brasil)

"Eu não sou vilão. Eu não sou bandido. Eu sou um profeta do caos". É assim que o senador Delcídio do Amaral (afastado do PT-MS) se identifica após a homologação da delação premiada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e da revelação, feita pelo site de VEJA, de que o ministro da Educação, Aloízio Mercadante, atuou para silenciá-lo. Delcídio falou ao jornal Folha de S. Paulo sobre sua colaboração com a Justiça.

Ao jornal, o senador classificou Mercadante, que lhe ofereceu ajuda financeira, política e jurídica em troca de seu silêncio, como "amigo da onça". "Amigo? Ele é amigo da onça! Onde ele era meu amigo? Minha história toda no Senado é de briga com ele. Todo mundo sabe disso", recorda Delcídio. Diálogos entre Mercadante e um assessor de Delcídio, gravados e entregues à Procuradoria Geral da República, mostram o ministro prometendo, além de suporte financeiro à família de Delcídio, usar a influência política do governo junto ao Senado e ao STF para tentar evitar a cassação do senador e conseguir sua libertação. Em entrevista coletiva após a revelação das gravações, Mercadante disse esperar "que esse país valorize a solidariedade, o companheirismo, o gesto de generosidade, de caridade com as pessoas num momento de tragédia pessoal".

Segundo o senador, as ofertas e o pedido do ministro para que ele não "desestabilize tudo" fazem "cair por terra" a argumentação do governo de que não buscou intervir no curso das investigações da Operação Lava Jato.

Delcídio do Amaral também falou sobre o ministro da Secretaria de Comunicação Social do Governo, Edinho Silva, tesoureiro da campanha da presidente em 2014. "Esse aí não aguenta um empurrão", disse à Folha.

Candidato derrotado ao governo do Mato Grosso do Sul em 2014, Delcídio revelou em sua delação premiada ter procurado Edinho para que ele o ajudasse a abater uma dívida de um milhão de reais de sua campanha com a FSB Comunicação e a Black Ninja, de Zilmar Fernandes, ex-sócia do marqueteiro Duda Mendonça.

Edinho teria proposto, de acordo com o senador, que ele pedisse às empresas credoras a emissão de notas fiscais nos valores devidos, mas que colocassem o laboratório farmacêutico EMS como cliente dos serviços. Delcídio conta que a FSB e a Black Ninja apresentaram notas fiscais e pagaram impostos sobre elas, mas não quiseram receber do laboratório quando vieram à tona denúncias de corrupção contra o EMS. As empresas "cancelaram as notas fiscais e ficaram no prejuízo", relata Delcídio em seu depoimento. Sem solução e "com as contas penduradas", o senador foi orientado a procurar o ministro Aloízio Mercadante, que orientou Delcídio a procurar o presidente do laboratório farmacêutico.

LEIA MAIS:

EXCLUSIVO: governo tentou comprar o silêncio de Delcídio do Amaral

Edinho Silva sugeriu a Delcídio que laboratório pagasse dívidas de campanha em 2014

(da redação)

TAGs:
Aloizio Mercadante
Operação Lava Jato
Supremo Tribunal Federal (STF)
Senado Federal
PT