Mais Lidas

  1. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  2. Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

    Brasil

    Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

  3. Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

    Brasil

    Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

  4. Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

    Entretenimento

    Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

  5. Ministério da Cultura fazia fiscalização 'pífia', diz MP sobre grupo que desviou R$ 180 mi

    Brasil

    Ministério da Cultura fazia fiscalização 'pífia', diz MP sobre...

  6. Homens-bomba provocam explosões no maior aeroporto da Turquia

    Mundo

    Homens-bomba provocam explosões no maior aeroporto da Turquia

  7. Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

    Economia

    Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

  8. ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

    Entretenimento

    ‘Game of Thrones’: por que saber a origem de Jon Snow é importante

De volta para o futuro: Cabral quer mostrar na TV como era o Rio sem UPP

Filmes de 30 segundos, exibidos a partir do próximo sábado, mostrarão uma comparação da era Garotinho com o governo atual

Por: Cecília Ritto e João Marcello Erthal, do Rio de Janeiro - Atualizado em

Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão lançam, em Casimiro de Abreu, o programa Renda Melhor, governo do estado
Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão lançam, em Casimiro de Abreu, o programa Renda Melhor, governo do estado(Carlos Magno/Divulgação - Governo do Estado do Rio de Janeiro/VEJA)

Estrelas da propaganda do governador Sérgio Cabral na campanha de 2010, as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) se tornaram a marca mais forte do governo. A caminho de 2014, novamente as instalações da PM nas favelas estão escaladas para aparecer na TV, mas, antes da disputa eleitoral, darão lugar a filmes de 30 segundos com imagens do passado, para comparar o Rio com e sem as UPPs, as UPAs e outros programas criados a partir de 2007. Atacado nas manifestações de rua e com desgaste acumulado em sua popularidade, Cabral está empenhado em reerguer sua imagem e voltar a ter chances de fazer do vice, Luiz Fernando Pezão, seu sucessor no Palácio Guanabara no ano que vem. A estratégia escolhida é a de mostrar os problemas do estado antes da chegada de Cabral ao governo, tendo como alvo principal os eleitores jovens, de vinte e poucos anos, que, para os estrategistas do PMDB, não tem na memória de sua vida adulta problemas como as guerras do tráfico nas favelas e as crises na saúde.

Ao dirigir as mensagens ao público jovem, Cabral também tentará dialogar com a faixa etária que está nas ruas desde junho protestando por um conjunto amplo de causas, quase todas atribuídas ao governador - apesar de muitas delas não terem relação com o executivo estadual. A pressão das ruas fez a aprovação do governador do Rio despencar para apenas 12%, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada em julho.

Leia também:

Rui Falcão opera para manter o PT com Sérgio Cabral

O pouso forçado de Sérgio Cabral: decreto cria regras para uso de helicópteros

Os filmes vão ao ar a partir do próximo sábado, dia 10, com 40 inserções de 30 segundos a cada dia. As propagandas não vão citar o ex-governador Anthony Garotinho ou sua mulher, a ex-governadora Rosinha. Mas os dois estão ligados diretamente à estratégia de propaganda. Aliados próximos, ao comentar o "Fora Cabral", citam repetidamente o risco da "volta dos Garotinho". A propósito: a última pesquisa de intenção de voto para o governo do Rio, feita pelo DataFolha, com entrevistas entre 27 e 28 de junho, traz Lindbergh Farias (PT) na liderança, com 17%; em seguida, empatados com 15% estão Antony Garotinho (PR) e Cesar Maia (DEM); Pezão aparece ao lado do deputado federal e ex-jogador Romário (PSB) e de Miro Teixeira (PDT), todos com 8% cada.

Beira-Mar - Uma das inserções para demarcar o antes e o pós-Cabral será sobre Fernandinho Beira-Mar. Para não baterem exclusivamente na tecla das UPPs, os peemedebistas mostrarão imagens do dia em que Cabral, articulado com a Justiça do Rio, conseguiu que Beira-Mar fosse transferido do Rio de Janeiro para o presídio de segurança máxima de Curitiba, no Paraná - o Presídio Federal de Catanduvas.

A mudança na estratégia de comunicação do governo já está em prática. Cabral deu uma entrevista à rádio CBN na qual reconheceu "erros de diálogo" e necessidade de ter "mais humildade". Na mesma semana, foi pessoalmente visitar as vítimas do rompimento de uma adutora da Cedae na Zona Oeste - antes, quem visitava os locais com situações de emergência era só o vice, Pezão, como ocorreu na tragédia da Serra.

Cabral e seus assessores diretos começaram também a ocupar o noticiário com medidas no sentido de atender anseios demonstrados pelas manifestações. Na segunda-feira, foi exonerado do cargo o comandante-geral da PM, coronel Erir Ribeiro Costa Filho. A exoneração do oficial do posto mais alto da corporação já estava em discussão, mas uma decisão do comando, de anistiar 450 PMs punidos por pequenas infrações, criou um fato positivo: o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, ajudou a criar para o governo uma imagem de combate à tolerância com os desvios na PM. Nesta terça-feira, o novo comandante, José Luís Castro Menezes, anunciou que vai suspender a anistia.

A Polícia Militar também é, ao lado de Cabral, xingada em uníssono nas manifestações. Para a tropa foram criadas novidades: nos últimos protestos, desde a visita do papa Francisco, os policiais aparecem com identificações de nome e códigos nas fardas, de forma que possíveis desvios sejam identificados e punidos. Na passeata convocada pelo grupo Black Bloc, na última quinta-feira, os policiais tiveram uma postura muito mais cautelosa em relação aos manifestantes, e não tentaram impedir a invasão da Câmara Municipal - que ocorreu sem grandes problemas ou atos de vandalismo, como as anteriores.

Helicóptero - Na segunda-feira, um decreto do executivo criou, em dez artigos, regras para o uso de helicópteros oficiais. A medida é uma resposta à péssima repercussão das revelações de como eram usadas as aeronaves, feitas por VEJA. Cabral, sua família e o cachorro Juquinha usavam as aeronaves como bem entendiam, assim como os assessores diretos do governador. Agora, é necessário informar ao gabinete militar da Casa Civil - órgão mais próximo do gabinete do governador - os motivos do uso e os passageiros, que devem estar necessariamente em missão oficial.

TAGs:
Sérgio Cabral
Lindbergh Farias
Rio de Janeiro
Política
Anthony Garotinho
PMDB
Rosinha Garotinho
Eleições