Mais Lidas

  1. Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

    Economia

    Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

  2. Produtores de ‘Game of Thrones’ ficaram chocados com três revelações do autor

    Entretenimento

    Produtores de ‘Game of Thrones’ ficaram chocados com três...

  3. Teori homologa delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado

    Brasil

    Teori homologa delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado

  4. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  5. Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

    Brasil

    Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

  6. Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

    Brasil

    Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

  7. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  8. 'Foi uma bela vitória', diz Temer, sobre aprovação de meta fiscal

    Brasil

    'Foi uma bela vitória', diz Temer, sobre aprovação de meta fiscal

Cunha retoma processo de impeachment de Dilma nesta quinta

Após reunião em meio à crise política, presidente da Câmara dos Deputados marcou a eleição da comissão especial que analisará o pedido

- Atualizado em

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - 01/03/2016
Eduardo Cunha disse que a eleição será finalizada já nesta quinta(Luis Macedo / Câmara dos Deputados/Divulgação)

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), marcou para esta quinta-feira a eleição da comissão especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A decisão foi tomada depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu o julgamento dos embargos. A sessão extraordinária da Câmara está marcada para as 10h (horário de Brasília) e os líderes partidários terão até as12h para indicar os nomes dos parlamentares para a comissão especial.

Na noite desta quarta, em meio a novos protestos contra o governo Dilma e a indicação de Luiz Inácio Lula da Silva ao Ministério da Casa Civil, Cunha se reuniu com líderes partidários para deliberar sobre o rito de tramitação do processo de impeachment.

Pelas regras do processo de impeachment, a comissão será formada por 65 deputados titulares e igual número de suplentes, a serem indicados pelos respectivos líderes das bancadas, de acordo com o tamanho dos partidos na Câmara. Para ser eleita, a chapa precisará da maioria simples dos votos, desde que votem no mínimo 257 deputados.

Leia também:

No dia da operação da PF, Lula esbraveja em conversa com Dilma: "STF e Congresso estão acovardados"

Grampos revelam golpe de Lula e Dilma contra Lava Jato, e multidão volta às ruas

Dilma acelerou posse de Lula e blindou Jaques Wagner

Segundo informações do jornal Estado de S.Paulo, Cunha e seus aliados esperam ter o apoio de 37 a 39 dos 65 integrantes da comissão a favor do impeachment, número que já seria suficiente para eleger o presidente e o relator da comissão. Os nomes defendidos na reunião são o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), para presidente, e Jovair Arantes (GO), líder do PTB, para relator.

Iniciado o processo de impeachment, a presidente Dilma Rousseff terá o prazo de 10 sessões plenárias da Câmara para apresentar sua defesa e os integrantes da comissão terão direito a cinco sessões para apresentar e votação do parecer do relator sobre se o processo deve ser aceito e prosseguir ou se será arquivado.

A eleição desta quinta-feira será iniciada assim que atingir o quórum de 257 deputados no plenário. Segundo Eduardo Cunha, a eleição do presidente e do relator da comissão será finalizada já nesta quinta. "Vamos votar muito rápido. Se o PT quer celeridade, é só apresentar a defesa [da presidente] antes do prazo de dez dias".

Embora discorde da decisão do STF sobre os embargos, Cunha disse que "a decisão é que tem que ser submetida à ratificação do plenário a indicação do partido. A forma como será feita, vai ser definida na hora. Vou respeitar a decisão do Supremo, embora não concorde com ela. Porém, a decisão não sanou algumas dúvidas, então vamos ter ainda que definir."

(com Agência Brasil)

TAGs:
Dilma Rousseff
Lula
Impeachment
Eduardo Cunha