Mais Lidas

  1. Ex de Susana Vieira vira garçom e vende artesanato na web

    Entretenimento

    Ex de Susana Vieira vira garçom e vende artesanato na web

  2. Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se revoltam

    Mundo

    Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se...

  3. Governistas já ensaiam discurso de oposição - e cobram até redução de ministérios

    Brasil

    Governistas já ensaiam discurso de oposição - e cobram até redução...

  4. Suzane Richthofen deixa cadeia em saída do Dia das Mães

    Brasil

    Suzane Richthofen deixa cadeia em saída do Dia das Mães

  5. Atriz revela ser dublê de corpo do nude de Maitê Proença

    Entretenimento

    Atriz revela ser dublê de corpo do nude de Maitê Proença

  6. STF arquiva acusação de Delcídio contra Dilma por caso Pasadena

    Brasil

    STF arquiva acusação de Delcídio contra Dilma por caso Pasadena

  7. Falta uma semana para descermos a rampa com Dilma, diz ex-ministro

    Brasil

    Falta uma semana para descermos a rampa com Dilma, diz ex-ministro

  8. Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

    Brasil

    Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

CPI do Cachoeira sai do papel nesta quinta-feira

Requerimento assinado pela maioria dos parlamentares será lido em Plenário. Próximo passo é a escolha dos integrantes do colegiado

Por: Gabriel Castro - Atualizado em

Parlamantares da oposição pleiteiam instalação da CPI do Cachoeira
Parlamantares da oposição pleiteiam instalação da CPI do Cachoeira(AE/VEJA)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a atuação do contraventor Carlinhos Cachoeira ganhará vida oficialmente nesta quinta-feira. Está prevista para as 10h30 a leitura do requerimento em sessão conjunta do Congresso. Os partidos recolheram cerca de 330 assinaturas na Câmara e 67 no Senado - bem acima do número de 171 exigindo na primeira Casa e 27 na segunda.

Depois da leitura do requerimento, abre-se o prazo para que os partidos formalizem a indicação de seus integrantes para a comissão. Alguns, como os oposicionistas, já fizeram a escolha. Outros, como PT e PMDB, ainda pretendem discutir o tema. As duas siglas, aliás, dividirão a presidência e a relatoria da comissão. Os partidos aliados terão 80% dos cargos da CPI, que será composta por 30 titulares e 30 suplentes, metade da Câmara, metade do Senado.

A oposição tentará explorar dois ramos da quadrilha de Cachoeira: os laços com o governo do Distrito Federal e os contratos da construtora Delta, que é ligada à máfia e coordena algumas das principais obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Para os governistas, a CPI deve servir para colocar na mira o governador de Goiás, o tucano Marconi Perillo.

A oposição demonstra mais confiança de que a CPI será vantajosa politicamente: foi mais ágil na coleta de assinaturas e na indicação dos integrantes para o colegiado. Já para o PT e boa parte das siglas aliadas, a CPI ainda é uma incógnita. Quando o governo percebeu o potencial de estrago da investigação, era tarde demais para recuar - o acordo pela comissão envolvia líderes partidários e os presidentes das duas Casas. PMDB e PR também revelaram receio e a adesão ao requerimento de investigação foi bem mais baixa do que em outras siglas. Nas bancadas do PSDB, do DEM e do PT, o apoio à comissão foi de praticamente 100%.

A base aliada, que tem 80% do Congresso, terá o controle da investigação. Mas a oposição promete fazer barulho. E parlamentares de alguns partidos, como o PR, continuam com um pé atrás em seu apoio ao Planalto, o que pode diminuir o índice de lealdade.

Indicados os membros da CPI, surgirá a primeira queda-de-braço: a decisão sobre o foco inicial da investigação. Os múltiplos tentáculos do grupo de Cachoeira tornam difícil a organização do trabalho. Uma das saídas é a divisão da tarefa em sub-relatorias.

Composição - Alguns dos nomes confirmados para compor a CPI são os senadores Alvaro Dias (PSDB-PR), Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Jayme Campos (DEM-MT) e Randolfe Rodrigues (PSOL). Na Câmara, a tarefa já foi designada aos deputados Domingos Sávio (PSDB-MG), Carlos Sampaio (PSDB-SP), Fernando Francischini (PSDB-PR), Rogério Marinho (PSDB-RN), Onyx Lorenzoni (DEM-RS), Mendonça Prado (DEM-SE), Rubens Bueno (PPS-PR), Maurício Quintela Lessa (PR-AL) e Ronaldo Fonseca (PR-DF).

TAGs:
Carlinhos Cachoeira
Corrupção
Câmara dos Deputados
CPI do Cachoeira
Senado Federal