Mais Lidas

  1. Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre caso de estupro

    Entretenimento

    Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre...

  2. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  3. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  4. Lula sabia que mensalão era propina, diz Corrêa em delação

    Brasil

    Lula sabia que mensalão era propina, diz Corrêa em delação

  5. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  6. Temer escolhe Aloysio Nunes para líder do governo no Senado

    Brasil

    Temer escolhe Aloysio Nunes para líder do governo no Senado

  7. Relator confirma pedido de cassação de Cunha, que age para afastar presidente do Conselho

    Brasil

    Relator confirma pedido de cassação de Cunha, que age para afastar...

  8. Operador do PMDB, filho de Sérgio Machado fecha acordo de delação

    Brasil

    Operador do PMDB, filho de Sérgio Machado fecha acordo de delação

Contra cortes em verbas, peritos da PF alertam que "retrocesso é inaceitável"

Entidade de classe dos peritos se diz disposta a "diálogo franco" e cita fala de Cardozo sobre "problemas de gestão" na PF

- Atualizado em

Agentes da PF chegam com um malote na sede da Polícia Federal em São Paulo, nesta terça-feira (15)
Corte no orçamento da PF gera protestos de agentes, delegados e peritos(Jorge Araújo/Folhapress)

Depois de agentes e delegados, os peritos criminais da Polícia Federal também se manifestaram contra o corte orçamentário da corporação. Em comunicado divulgado hoje pela Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), os peritos se declaram a favor do "diálogo franco", mas pontuam que "o retrocesso é inaceitável".

Servidores altamente preparados e com assento no Setor Técnico Científico da PF, os peritos têm sob sua responsabilidade laudos de importância fundamental para todas as investigações, inclusive sobre corrupção e crimes financeiros. Preocupados com o que chamam de "discussão pública entre entidades representantes de servidores da Polícia Federal e o Ministério da Justiça", os peritos "repudiam qualquer possibilidade de contingenciamento orçamentário que possa interferir nas atividades da Polícia Federal".

Em um Estado Democrático de Direito, diz a APCF, "o governo não deveria privilegiar quem o defende e preterir quem pode investigá-lo". André Morisson, presidente da entidade de classe dos peritos, afirma que "a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais permanece atenta e diligente contra as ameaças à Polícia Federal e reafirma seu compromisso com o diálogo, desde que esse não sirva para fins protelatórios de quem não quer solucionar problemas".

A crise do orçamento ganhou contornos críticos desde o final de 2015 quando o Congresso cortou R$ 133 milhões da PF - segundo a direção-geral da corporação, a tesoura levou R$ 151 milhões da verba para 2016. O corte provocou reação dos delegados de Polícia Federal, que cobraram "menos discursos" e exigiram a adesão do ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, à batalha pela autonomia financeira da instituição.

Os peritos também fizeram referência aos "problemas de gestão" citados por Cardozo diante do fato de que a PF no Paraná, base da missão Lava Jato, solicitou em 2014 R$ 172 mil ao juiz federal Sérgio Moro e, depois, devolveu R$ 3 milhões do orçamento. "Se há problemas na gestão, como falado pelo ministro José Eduardo Cardozo, que sejam resolvidos por quem para isso tem poder", sugere a APCF.

(com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Justiça
Orçamento