Mais Lidas

  1. Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação Turbulência

    Brasil

    Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação...

  2. Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

    Esporte

    Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

  3. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  4. Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

    Brasil

    Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

  5. “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na residência de João Santana e Mônica Moura

    Brasil

    “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na...

  6. Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

    Entretenimento

    Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

  7. Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

    Entretenimento

    Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

  8. Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

    Brasil

    Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

Conselho de Ética deve ir ao STF para garantir investigação contra Cunha

Medida é uma reação à decisão do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), que acatou recurso e levou o processo contra o peemedebista de volta à estaca zero

Por: Marcela Mattos, de Brasília - Atualizado em

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)(Ueslei Marcelino/Reuters)

Diante das sucessivas manobras para inviabilizar as investigações contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o comando do Conselho de Ética estuda apelar ao Supremo Tribunal Federal para garantir a abertura do processo por quebra de decoro contra o peemedebista e a continuidade dos trabalhos sem interferência de aliados ou da cúpula da Casa. A ação deve ser apresentada depois do Carnaval.

A medida é uma reação à decisão dada pelo vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), nesta terça-feira. O deputado acatou recurso e anulou a abertura de investigação contra Cunha, aprovada por 11 votos a 9 em dezembro. Dessa forma, a ação contra o presidente da Câmara, iniciada em novembro, volta praticamente à estaca zero.

LEIA TAMBÉM:

Aliado de Cunha anula abertura de investigação no Conselho de Ética

Cunha é acusado de ter mentido de novo na CPI da Petrobras

Nesta quarta-feira, o presidente do conselho, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), tentou apresentar em plenário uma questão de ordem para protestar contra a decisão da cúpula da Câmara. Ao iniciar o pronunciamento, no entanto, foi interrompido por Cunha sob o argumento de que ele iria discursar sobre temática alheia à matéria em votação.

O mandado de segurança ao Supremo vai tentar derrubar o recurso feito pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS), aliado de Cunha, que levou à anulação das investigações do colegiado. O argumento é que o documento não seguiu trâmites regimentais, como o fato de não ter sido formulada uma questão de ordem. "Quero mostrar que nós estamos agindo certo e que há atuação deliberada de algumas pessoas para não deixar o conselho fazer o seu trabalho", afirmou o presidente.

"Nada vai parar o Conselho de Ética. Se essa é a vontade deles, não vão conseguir. Já tentaram interromper o andamento do processo com a troca do relator, já tentaram com barrar a votação. Mas eu tenho toda a paciência do mundo", disse José Carlos Araújo.

O Conselho de Ética pretendia se reunir nesta quarta-feira depois das votações em plenário. Mas, diante da demora da votação, a sessão foi cancelada.

TAGs:
Conselho de Ética
Supremo Tribunal Federal (STF)
Eduardo Cunha