Mais Lidas

  1. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  2. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  3. Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

    Brasil

    Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  6. Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

    Brasil

    Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

  7. No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do relator

    Brasil

    No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do...

  8. Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

    Ciência

    Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

Cezar Peluso: aborto de feto anencéfalo é ato 'egocêntrico'

STF concluiu nesta quinta-feira que grávidas de fetos anecéfalos podem interromper gestação. Foram 8 votos favoráveis e 2 contra

Por: Luciana Marques - Atualizado em

Ministro Cezar Peluso, preside a sessão de julgamento sobre anencefalia no plenário do STF
Cezar Peluso disse que procedimento é "cruel" e comparável ao racismo(Nelson Jr/SCO/STF/VEJA)

O Supremo Tribunal Federal (STF) liberou nesta quinta-feira o aborto em caso de gestação de feto anencéfalo. O placar do julgamento foi 8 votos a favor e 2 contra a interrupção da gravidez de bebês com má formação no cérebro. A maioria dos ministros entendeu que o procedimento não deve ser considerado abortivo, porque o anencéfalo geralmente morre durante a gestação ou vive por apenas poucas horas após o parto.

O presidente do STF, Cezar Peluso, foi o último a votar. O ministro fez um duro discurso contra o aborto de anencéfalos. Disse que o procedimento é "cruel" e comparável ao racismo. "Todos esses casos retratam a absurda defesa da superioridade de alguns, de raça branca, ariana sobre outros, negros, judeus", disse. "Encena-se a atuação avassaladora do ser poderoso e superior e detentor de toda a força infringe a pena de morte ao incapaz de pressentir a agressão e de esboçar qualquer defesa", afirmou.

De acordo com Peluso, o feto anencéfalo deve ser protegido sob a ótica jurídica, porque não deixa de ser humano. "Nesta postura dogmática ao feto, reduzi-lo no fim das contas à condição de lixo, uma coisa imprestável e incômoda, não é dispensada de nenhum ângulo à menor consideração ética e jurídica", afirmou.

Com argumentos filosóficos, o ministro disse que o Direito se vale de conceitos pré-jurídicos. "A própria ideia de morte encefálica pressupõe a existência de vida, não é possível pensar a existência de morte se não estivesse vivo", disse. Para o ministro, o aborto é uma atitude "egocêntrica" da mulher. Segundo ele, o feto não pode ser destruído para amenizar um sentimento de frustação.

Discussão - O julgamento começou na manhã desta quarta-feira e foi suspenso após nove horas de discussão. Os ministros concluíram a análise nesta quinta. O tema começou a ser discutido no STF há oito anos, quando a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde (CNTS) propôs a ação.

Posicionaram-se a favor do aborto os ministros Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Carlos Ayres Brito, Gilmar Mendes e Celso de Mello. Foram contrários os ministros Cezar Peluso e Ricardo Lewandowski.

Conheça os votos dos ministros:

Celso de Mello: "Não estamos autorizando aborto"

Gilmar Mendes: "Argumentos de entidades religiosas podem e devem ser considerados pelo estado"

Ayres Britto: "O anencéfalo é uma crisálida que jamais se transformará em borboleta"

Marco Aurélio Mello: "Anencefalia e vida são termos antitéticos"

Rosa Weber: "Obrigar a mulher a prosseguir na gravidez fere seu direito à autonomia reprodutiva"

Luiz Fux: 'sofrimento incálculavel' pode ser interrompido

Cármen Lúcia: "Quando o berço se transforma em um pequeno esquife, a vida entorta"

Ricardo Lewandowski: legislação não permite aborto terapêutico

TAGs:
Cezar Peluso
Supremo Tribunal Federal (STF)
Aborto