Mais Lidas

  1. Processos contra Lula na Lava Jato chegam a Moro

    Brasil

    Processos contra Lula na Lava Jato chegam a Moro

  2. A peixaria de R$ 21 milhões usada na compra do jatinho de Campos

    Brasil

    A peixaria de R$ 21 milhões usada na compra do jatinho de Campos

  3. Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

    Entretenimento

    Laura Keller provoca Simony, a 'surtada', pelo Instagram

  4. Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

    Entretenimento

    Derrota no 'Power Couple' faz Simony perder a linha

  5. Justiça autoriza Dilma a usar aviões da FAB, desde que reembolse o Tesouro

    Brasil

    Justiça autoriza Dilma a usar aviões da FAB, desde que reembolse o...

  6. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

  7. STF manda para Justiça de Brasília denúncia contra Lula

    Brasil

    STF manda para Justiça de Brasília denúncia contra Lula

  8. Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após viagem oficial com Lula à África

    Brasil

    Delator de Paulo Bernardo intermediou negócio milionário após...

Aliado de Cunha será relator da comissão do impeachment

Jovair Arantes (PTB-GO) foi eleito para a relatoria do colegiado; presidência ficou com Rogério Rosso (PSD-DF). Com a comissão instalada, abre-se prazo de 10 sessões para a defesa de Dilma

Por: Marcela Mattos, de Brasília - Atualizado em

Câmara dos Deputados, Brasília
Câmara dos Deputados, Brasília(Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)

No auge da crise política, a Câmara dos Deputados instalou nesta quinta-feira a comissão especial que vai analisar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A petista será julgada pelo crime de responsabilidade na prática das chamadas pedaladas fiscais, já condenadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), e por editar, via decreto, aumento de despesas sem o aval do Congresso Nacional, o que é proibido em lei. A explosiva delação do ex-líder do governo Delcídio do Amaral, na qual Dilma é acusada de ter conhecimento do escândalo de corrupção na Petrobras e de tentar obstruir o avanço da Lava Jato na Justiça, foi anexada às denúncias contra a petista.

Leia mais:

Câmara escolhe membros da comissão do impeachment

O processo de impeachment foi aberto no início de dezembro do ano passado, mas ficou paralisado por causa de questionamentos procedimentais feitos ao Supremo Tribunal Federal. Ao ter a comissão instalada, abre-se prazo de até 10 sessões para a apresentação de defesa pela petista. Dilma foi notificada nesta tarde pelo primeiro-secretário da Câmara dos Deputados, Beto Mansur (PRB-SP).

Relator - Com os ânimos acalorados, a sessão protagonizou bate boca entre os deputados sobre quais deputados iriam assumir o comando do colegiado. Aliado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), ficou com a relatoria da comissão do impeachment. O líder do PSD, Rogério Rosso (DF), ficou com a presidência. A chapa, formada em um acordo entre os partidos, foi eleita por 62 votos favoráveis e três abstenções.

A oposição conseguiu emplacar o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), um dos mais ferrenhos opositores de Dilma, na vice-presidência, o que provocou reação de parlamentares governistas, contrários à indicação. Para a segunda vice-presidência foi eleito o líder do PR, Maurício Quintella (AL), e a terceira vice ficou com o líder do PSB, Fernando Coelho (PE).

Sessenta e cinco deputados, de todos os partidos da Casa, compõem o colegiado. Legendas que oficialmente apoiam o impeachment ocupam apenas dezoito cadeiras do colegiado. A expectativa dos opositores, no entanto, é que a insatisfação das ruas faça com que deputados aliados do Planalto acabem se rebelando e unindo-se contra Dilma. No PMDB, o principal partido da base, três dos oito representantes são abertamente pró-impeachment (Lúcio Vieira Lima, Mauro Mariani e Osmar Terra). Nesta quarta-feira, o PRB deu início à debandada na base do governo e rompeu a aliança com Dilma. No fim deste mês, o PMDB vai deliberar se segue o mesmo caminho. Oposicionistas calculam que têm pelo menos 34 dos 65 votos, o que seria suficiente para aprovar o processo.

'Responsabilidade' - Ao assumir o comando da comissão, Rogério Rosso pregou "serenidade" para que os fatos que pesam contra Dilma sejam analisados "sem intervenções de especulações que inflamam" o país. "Nossas instituições estão em jogo, nossa democracia está em jogo, e nós todos carregamos a responsabilidade de reerguer o nosso país e seguir adiante", disse. O presidente do colegiado ainda fez um aceno ao povo, que no último domingo levou às ruas a maior manifestação da história do país, e afirmou: "Jamais pensei que estaríamos em um momento como esse, em que o patrono da minha honrada função não tem nome. É o povo brasileiro".

Responsável por elaborar o relatório que determinará se Dilma cometeu ou não crime de responsabilidade, Jovair Arantes também fez questão de ressaltar a sua função de representar os eleitores e pregou "tranquilidade" na condução dos trabalhos.

A próxima sessão do colegiado será na segunda-feira. No encontro, os deputados vão discutir os próximos procedimentos da comissão.

TAGs:
Operação Lava Jato
Impeachment
Câmara dos Deputados