Mais Lidas

  1. Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

    Entretenimento

    Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

  2. Miss Brasil 2004 relatou a amigos que pretendia se matar, diz delegado

    Brasil

    Miss Brasil 2004 relatou a amigos que pretendia se matar, diz delegado

  3. Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

    Entretenimento

    Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

  4. ‘Game of Thrones’: HBO revela quem é o pai de Jon Snow

    Entretenimento

    ‘Game of Thrones’: HBO revela quem é o pai de Jon Snow

  5. Condenado pode cumprir pena em casa se não houver vaga em presídio, determina STF

    Brasil

    Condenado pode cumprir pena em casa se não houver vaga em presídio,...

  6. Juiz proíbe Paulo Bernardo de deixar o país e o suspende de cargos públicos

    Brasil

    Juiz proíbe Paulo Bernardo de deixar o país e o suspende de cargos...

  7. Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

    Entretenimento

    Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

  8. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

Cadê o (dinheiro do) Amarildo?

Instituto de Defesa dos Direitos Humanos (DDH) ficou com quase 80% do que foi arrecadado em campanha para a família do pedreiro. Viúva e cinco dos seis filhos moram em uma casa de dois quartos que precisa de reformas

Por: Gabriel Castro - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Desde julho do ano passado, o pedreiro Amarildo Dias de Souza é o símbolo máximo da luta contra a ação de maus policiais no Rio de Janeiro. O "Cadê o Amarildo?" foi usado tanto para cobrar providências como para embalar a série de manifestações contra o governador Sérgio Cabral. O corpo do homem de 43 anos que, para o Ministério Público, foi torturado e morto por PMs de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), nunca foi encontrado. A família do pedreiro passou a viver, depois de seu desaparecimento, num quadro agravado da pobreza na qual já se encontrava. Uma bem intencionada campanha conclamou artistas, intelectuais e doadores a contribuir com a viúva e os seis filhos do pedreiro. O "Somos Todos Amarildo" deu resultado. Comandado pela empresária e produtora Paula Lavigne, o projeto arrecadou 310.000 reais em dois eventos: um leilão de arte e objetos de famosos e um show no Circo Voador, com participação de Caetano Veloso e Marisa Monte. A família do pedreiro, no entanto, ficou com a menor parte: com a compra de uma casa e de mobília, foram gastos, respectivamente, 50.000 e 10.000 reais. O restante do dinheiro - 250.000 reais - ficou com o Instituto de Defesa dos Direitos Humanos (DDH), ONG que se tornou notória por defender black blocs e tem, entre seus diretores, um assessor do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), o advogado Thiago de Souza Melo.

Um dos organizadores do evento, que pede para não ser identificado, afirmou ao site de VEJA que, desde o início, a família sabia que não ficaria com o montante total do dinheiro - apesar de o uso do nome do pedreiro dar a entender que o valor seria destinado a ela. Mas foi informada, na ocasião, que ficaria com metade - o que, nos valores de fato arrecadados, corresponderia a 155.000 reais. "Soubemos na época que ficaríamos com metade. Como recebemos 60.000, eu pensava que o total era de 120.000", diz Anderson Dias, de 21 anos, o primogênito, que administra, com a mãe, Elizabeth, as contas da família.

Moram na casa, além dos dois, os filhos Amarildo, de 18 anos; Beatriz, 13; Alisson, 10; e Milena, 6. Todos em uma casa de dois quartos, sala, cozinha e banheiro. Só um dos filhos de Amarildo - Emerson, de 20 anos - não vive no imóvel. A área de serviço - que não tem janela - está sendo adaptada para servir como dormitório. Segundo Anderson, a casa que a família recebeu é uma construção antiga, com defeitos na rede elétrica e na parte hidráulica. Devido aos problemas encontrados, os filhos procuraram o advogado João Tancredo, presidente do DDH, para saber sobre a possibilidade de uma reforma. "Fiz um orçamento no valor de 45.000 reais. Mas Tancredo me disse que não tinha mais dinheiro", afirma.

Leia também:

Policial denuncia prática de tortura na UPP da Rocinha

Os 10.000 reais que a família recebeu para comprar os móveis para a casa também não foram suficientes. Elizabeth não conseguiu comprar mesa, cadeiras e fogão. "Fiz uma lista com o que era indispensável, mas tive que cortar muita coisa. Não deu nem para comprar o fogão. Pedi a minha cunhada para usar o cartão dela e vou pagando aos poucos", conta Elizabeth. "Não tive coragem de pedir mais dinheiro, porque achei que a outra parte seria destinada a outras pessoas pobres. Mas vou conversar sobre isso com o advogado".

O presidente do DDH afirma que o acordo previa o repasse para a entidade de aproximadamente 250.000 reais obtidos com o leilão e o show. "Inicialmente, o projeto se resumiria a arrecadar fundos para a aquisição de uma casa em condições adequadas para a família de Amarildo. Mas logo se viu que seu desaparecimento não era um caso isolado", explicou Tancredo, por e-mail, ao site de VEJA. Segundo ele, os recursos serão aplicados em um "projeto ainda indefinido". As opções aventadas pela ONG envolvem o custeio de uma pesquisa para traçar o perfil dos desaparecidos, um serviço de atendimento de familiares de desaparecidos, o acompanhamento jurídico de casos do tipo ou a formação de uma rede para debater o tema. É dificil acreditar que quem contribuiu com o "Somos Todos Amarildo" desejava que seu dinheiro tivesse esse destino incerto. O cheiro de oportunismo é fortíssimo.

O caso Amarildo

A decisão sobre o uso dos recursos - dizem os responsáveis pelo DDH - deve sair a partir do segundo trimestre do ano, quando será formado um comitê de "notáveis e pesquisadores".

O DDH ficou conhecido nacionalmente depois da morte do cinegrafista Santiago Andrade. A ativista Elisa Quadros, conhecida como Sininho, ofereceu assistência jurídica a um dos acusados pelo crime, o tatuador Fábio Raposo Barbosa - conhecido como "Fox". Como Sininho citava o nome de Marcelo Freixo, acabou envolvendo o deputado na confusão. O instituto, que tem atuado em favor de manifestantes detidos pela polícia durante protestos no Rio de Janeiro, chegou a defender Raposo em outubro, antes do episódio que tirou a vida do funcionário da TV Bandeirantes.

Leia também:

O destino de Amarildo já estava traçado, revela promotora Como a polícia desvendou a trama de mentiras e suborno criada pelos PMs acusados de matar Amarildo Caso Amarildo: major Edson operou para evitar confissão de acusados

TAGs:
Unidade de Polícia Pacificadora - UPP
Rio de Janeiro