Mais Lidas

  1. PF deflagra 30ª fase da Lava Jato e descobre mais de R$ 40 mi em propina

    Brasil

    PF deflagra 30ª fase da Lava Jato e descobre mais de R$ 40 mi em...

  2. Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

    Brasil

    Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

    Brasil

    PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

  5. Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é procurada pela polícia'

    Brasil

    Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é...

  6. Jucá é exonerado do cargo de ministro do Planejamento

    Brasil

    Jucá é exonerado do cargo de ministro do Planejamento

  7. Na Argentina, Serra firma acordo de 'coordenação política'

    Brasil

    Na Argentina, Serra firma acordo de 'coordenação política'

  8. Dubladora apoia campanha por namorada para Elsa, de ‘Frozen’

    Entretenimento

    Dubladora apoia campanha por namorada para Elsa, de ‘Frozen’

Brasil tem o 3º pior índice de desigualdade, aponta Pnud

- Atualizado em

Pobreza Brasil
(AFP/VEJA)

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) advertiu que a desigualdade é uma séria ameaça para o desenvolvimento da América Latina. Pela primeira vez, o órgão produziu um relatório sobre distribuição de renda na região - e comparou os dados com os do restante do mundo. Conclusão: dos 15 países com maior desigualdade, 10 estão na América Latina e no Caribe, sendo que o Brasil tem o terceiro pior índice Gini: 0,56. Criado por um matemático italiano no começo do século XX, o índice Gini é o mais usado para medir a desigualdade de renda: quanto mais perto de 1 fica o coeficiente, mais desigual é o país. O Equador apresentou o mesmo número do Brasil. À frente deles, estão Bolívia, Camarões e Madagascar, com 0,60, e África do Sul, Haiti e Tailândia, com 0,59.

"América Latina e Caribe formam a região mais desigual do mundo", afirma o relatório. "A alta e persistente desigualdade constitui um obstáculo para o avanço social da região. Ela freia o desenvolvimento humano". Na região, "existem mecanismos tanto em nível doméstico quanto no sistema político que reforçam a reprodução da desigualdade" de uma geração a outra, diz o estudo.

No entanto, o coordenador do relatório regional, Luis Felipe López Calva, salienta que o Brasil foi "um dos países mais exitosos em reduzir a desigualdade nos últimos anos". Para mudar a realidade do país e da região como um todo, o relatório destaca que são necessárias "ações concretas, integrais e eficazes", com políticas públicas que tenham alcance e envolvimento dos cidadãos. "Os planos contra a pobreza não são suficientes. São necessárias políticas contra a desigualdade", enfatizou López.

Herança - Educação, emprego formal e salários mínimos adequados também são essenciais para diminuir a desigualdade em um país, aponta o Pnud, assim como melhor acesso a serviços públicos. "A desigualdade é uma herança na América Latina. Favorece o clientelismo político, a corrupção e o frágil compromisso com a ação pública", disse, por sua vez, Isidro Soloaga, outro coordenador do relatório regional. Conforme Soloaga, os impostos incidem principalmente sobre o consumo, o que afeta os mais pobres, e não sobre a renda, como ocorre nos países desenvolvidos.

Os países com o melhor índice - inferior a 0,49 - são Costa Rica, Argentina, Venezuela e Uruguai. Na média, o Gini da América Latina e do Caribe é 36% maior do que o dos países do leste asiático e 18% acima dos da África Subsaariana. O relatório adverte que o peso da desigualdade é tão alto na América Latina, que se o Índice de Desenvolvimento Humano mundial (que o Pnud avalia anualmente) fosse corrigido levando em conta esse aspecto, a região cairia mais de 15% em seu nível de desenvolvimento humano.

(Com agência France-Presse)

TAGs:
Pnud
Brasil
Desigualdade