ONU

Brasil tem o 3º pior índice de desigualdade, aponta Pnud

Pobreza Brasil

(AFP)

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) advertiu que a desigualdade é uma séria ameaça para o desenvolvimento da América Latina. Pela primeira vez, o órgão produziu um relatório sobre distribuição de renda na região - e comparou os dados com os do restante do mundo. Conclusão: dos 15 países com maior desigualdade, 10 estão na América Latina e no Caribe, sendo que o Brasil tem o terceiro pior índice Gini: 0,56.  Criado por um matemático italiano no começo do século XX, o índice Gini é o mais usado para medir a desigualdade de renda: quanto mais perto de 1 fica o coeficiente, mais desigual é o país. O Equador apresentou o mesmo número do Brasil. À frente deles, estão Bolívia, Camarões e Madagascar, com 0,60, e África do Sul, Haiti e Tailândia, com 0,59.

"América Latina e Caribe formam a região mais desigual do mundo", afirma o relatório. "A alta e persistente desigualdade constitui um obstáculo para o avanço social da região. Ela freia o desenvolvimento humano". Na região, "existem mecanismos tanto em nível doméstico quanto no sistema político que reforçam a reprodução da desigualdade" de uma geração a outra, diz o estudo.

No entanto, o coordenador do relatório regional, Luis Felipe López Calva, salienta que o Brasil foi "um dos países mais exitosos em reduzir a desigualdade nos últimos anos". Para mudar a realidade do país e da região como um todo, o relatório destaca que são necessárias "ações concretas, integrais e eficazes", com políticas públicas que tenham alcance e envolvimento dos cidadãos. "Os planos contra a pobreza não são suficientes. São necessárias políticas contra a desigualdade", enfatizou López.

Herança - Educação, emprego formal e salários mínimos adequados também são essenciais para diminuir a desigualdade em um país, aponta o Pnud, assim como melhor acesso a serviços públicos. "A desigualdade é uma herança na América Latina. Favorece o clientelismo político, a corrupção e o frágil compromisso com a ação pública", disse, por sua vez, Isidro Soloaga, outro coordenador do relatório regional. Conforme Soloaga, os impostos incidem principalmente sobre o consumo, o que afeta os mais pobres, e não sobre a renda, como ocorre nos países desenvolvidos.

Os países com o melhor índice - inferior a 0,49 - são Costa Rica, Argentina, Venezuela e Uruguai. Na média, o Gini da América Latina e do Caribe é 36% maior do que o dos países do leste asiático e 18% acima dos da África Subsaariana. O relatório adverte que o peso da desigualdade é tão alto na América Latina, que se o Índice de Desenvolvimento Humano mundial (que o Pnud avalia anualmente) fosse corrigido levando em conta esse aspecto, a região cairia mais de 15% em seu nível de desenvolvimento humano.

(Com agência France-Presse)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados