Entrevista

Bolsonaro diz que confundiu perguntas em programa de TV

Acusado de ter agido de forma racista, deputado afirma que não ouviu pergunta corretamente, mas reafirma críticas a Preta Gil e à homossexualidade

Gabriel Castro

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) tem um longo histórico de declarações preconceituosas. Nesta segunda-feira, ele voltou à carga no programa CQC, da TV Bandeirantes. O deputado respondia a uma sequência de perguntas de telespectadores. A última delas foi da cantora Preta Gil. Ela queria saber o que o parlamentar faria se o filho dele namorasse uma negra. Bolsonaro reagiu: "Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco porque meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu”.

A reação foi imediata. Preta Gil disse que vai processar o deputado. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) anunciou que pedirá a cassação do parlamentar. O deputado Jean Wyllys afirmou que pedirá ao Conselho de Ética da Câmara que apure o caso. Nesta terça-feira, Bolsonaro conversou com jornalistas no Congresso Nacional. Não parecia estar preocupado com a possibilidade de ser punido. Impenitente, disparou outras frases de teor preconceituoso, intercaladas por risos de quem parece gostar do efeito de suas declarações. Leia trechos da entrevista.

Qual foi o contexto da resposta do senhor que gerou toda essa controvérsia? Eu não vou dizer que a TV Bandeirantes editou. O erro, com toda a certeza, foi meu. Foi uma bateria de perguntas sobre cotas e homossexualismo. Todas as perguntas foram gravadas, eu sentei na frente de um laptop e respondia para o laptop. Quando entrou a Preta Gil, já preparei a resposta para nem ouvir o que ela estava dizendo e dar um "cacete" nela. O que eu entendi foi o seguinte: "Se o seu filho tivesse um relacionamento com um gay, como você se comportaria?"

Então, como o senhor reagiria se tivesse um filho que namora uma negra? Aceito meu filho ter relacionamento com qualquer mulher, menos com uma com o comportamento da Preta Gil. Pelo que eu já vi em jornais aí, ela já foi tudo.

Na resposta que deu durante o progama, o senhor também criticou a família de Preta Gil. Por quê?
Quem é o pai dela? Gilberto Gil. Aquele que vive dando bitoquinha em macho por aí. Um ministro de estado dando bitoquinha em macho!

Então o problema do senhor é com a homossexualidade, não com os negros? Não tenho nada a ver com racista. Tem um montão de afro-descendente trabalhando comigo no Rio de Janeiro. Eu não quero é que os boiolas coloquem no currículo escolar a disciplina de combate à homofobia que, na verdade, estimula o homossexualismo. Meu filho namora quem quiser, desde que não seja um homem. Você ficaria feliz de ver seus filhos homossexuais? Eu não aceito um filho homem ter um relacionamentro com outro homem, acabou. É direito meu. Você acha que se a minha mulher engravidar eu falo "Meu amor, se nascer um gayzinho, vai ser o orgulho da família?"

O senhor teme ser punido? Eu estou entrando agora com uma representação no Conselho de Ética, para que eu possa ser ouvido lá e acabe com essa polêmica. Ou eu vou deixar que um deputado homossexual, não sei se é ativo ou passivo, queira crescer em cima de mim?

O senhor se refere a Jean Wyllys?
Não sei. Eu falei um deputado homossexual. Não sei se é ativo, passivo ou joga nas duas.

Ele é o único homossexual assumido do Congresso. Ele é seu amigo?

Não. O senhor já escapou de várias punições por declarações semelhantes.  Mais de 20 vezes.

Acha que agora será igual? Meu anjo da guarda é forte, porque eu estou sempre do lado da verdade.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados