Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trump deve ser o centro das atenções no primeiro debate entre republicanos

Por ser o pré-candidato que lidera as pesquisas de opinião, o magnata Donald Trump ocupará a bancada central no auditório que abrigará o debate, em Clevland

O magnata Donald Trump estará no centro do palco e, potencialmente, na linha de fogo nesta quinta-feira, quando os dez principais pré-candidatos presidenciais republicanos vão participar do primeiro debate do processo de escolha do representante do partido para as eleições de 2016. O empresário do setor imobiliário, bem como os rivais Jeb Bush, Scott Walker, Marco Rubio e outros seis, se apresentarão às 21h00 (22h00 em Brasília) na Quicken Loans Arena, em Cleveland, apenas três horas depois de os sete pré-candidatos com classificação mais baixa nas pesquisas encerrarem um debate em separado.

O evento, que terá como moderador os âncoras Bret Baier, Megyn Kelly e Chris Wallace, da Fox News, vai propiciar aos americanos uma primeira oportunidade de conhecer os principais candidatos em conjunto, faltando seis meses para as primeiras primárias partidárias, no Estado de Iowa. Para Trump, o primeiro debate será uma chance de mostrar que tem uma visão substancial para o país e ir além da sua retórica de provocador. Sua rápida ascensão ao topo do bloco republicano nas pesquisas já lhe rendeu a vantagem de ter sua bancada posicionada no centro do palco no debate. Além disso, sua familiaridade com as câmeras e com o ‘timing’ da TV podem propiciar a Trump uma chance valorosa para se destacar.

Leia também

Camille Paglia: ‘Trump está fazendo um grande serviço para a comédia e para a política’

EUA: Trump lidera corrida presidencial republicana com 25% das intenções de voto

Donald Trump posta imagem com soldados nazistas e… culpa o estagiário

Trump desdenha de perdas comerciais: ‘Sou muito rico e não me importo’

O estilo falastrão de Trump na campanha, com a tendência a fazer observações incendiárias, tais como o questionamento sobre o heroísmo de guerra do senador John McCain e os comentários sobre os imigrantes mexicanos, a quem tachou de criminosos e estupradores, atraíram grande cobertura da imprensa que ofuscou muitos de seus rivais.

A grande questão para os rivais de Trump é se eles vão estar dispostos a enfrentá-lo ou simplesmente ficarão de tocaia, esperando que ele imploda por si mesmo no debate – algo também muito provável dada a propensão do magnata em falar pelos cotovelos. É provável que os principais candidatos, como Bush, Walker e Rubio, se atenham a falar de seus feitos e sua visão para o país, enquanto outros que precisam de algo impactante para se destacarem nas pesquisas, como os governadores de Ohio, John Kasich, e de Nova Jersey, Chris Christie, podem procurar uma brecha para se sobressair em alguma disputa com Trump.

A estrategista republicana Katie Packer disse que a técnica inteligente é a de desviar da lama atirada por Trump. “Não há nenhuma razão para lutar com um porco porque enquanto você fica sujo, o porco fica feliz”, disse.

(Com agência Reuters)