Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Traficantes derrubam helicóptero e matam três soldados mexicanos

Outros dez militares e dois policiais federais ficaram feridos na operação ocorrida em Jalisco, um Estado localizado ao oeste do país

Pelo menos três soldados mexicanos morreram nesta sexta-feira após tiros disparados por narcotraficantes terem forçado um helicóptero do Exército a fazer um pouso de emergência na Villa Purificación, localizada a 250 quilômetros da cidade de Guadalajara, no Estado de Jalisco, ao oeste do país. Outros dez militares e dois policiais ficaram feridos no confronto, ao passo que três soldados seguem desaparecidos. Há informações não confirmadas de que um policial também teria morrido no conflito.

O presidente do México, Enrique Peña Nieto, recorreu ao Twitter para lamentar as mortes dos oficiais de segurança. “Reconheço o valor e a entrega de nossas Forças Armadas, em favor da segurança dos mexicanos. Lamento o falecimento dos elementos do Exército mexicano durante o cumprimento de seu dever em Jalisco”, postou o mandatário.

Leia também:

México anuncia a prisão de chefe do cartel de Juarez

Peritos independentes apontam falhas em caso de estudantes desaparecidos

De acordo com o jornal britânico The Guardian, as autoridades pediram para que a população permaneça em casa para não atrapalhar o andamento da operação. O foco no momento é extinguir barricadas com automóveis em chamas que foram montadas pelos narcotraficantes em diversas partes de Guadalajara e em algumas regiões de Jalisco. Incendiar uma grande quantidade de veículos é uma estratégia comum adotada pelos narcotraficantes quando um importante criminoso é preso ou quando forças policiais iniciam uma operação em redutos do crime organizado.

O confronto desta sexta-feira ocorre em meio às comemorações do dia 1º de maio no México. O governo federal havia aproveitado a ocasião para anunciar a implementação de uma “Operação Jalisco” para fornecer mais segurança à população do Estado, mas não forneceu detalhes sobre quais medidas planeja tomar após as primeiras baixas. Segundo o jornal espanhol El País, o crime organizado assassinou setenta funcionários públicos nos dois últimos anos. Somente no ano passado as autoridades mexicanas acharam 101 vítimas do narcotráfico enterradas em valas clandestinas.

(Da redação)