Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Theresa May: mais fraca

Premiê britânica apostou em eleições antecipadas para fazer o Brexit do seu jeito. Na semana passada, seu partido perdeu maioria e seu cargo ficou em risco

Há dois meses, quando decidiu convocar eleições antecipadas, a primeira-ministra britânica, Theresa May, do Partido Conservador, já tinha a maioria absoluta das cadeiras do Parlamento.

Ela esperava ampliar a vantagem para o segundo partido mais forte, o Trabalhista, e, com isso, garantir um mandato indiscutível para negociar o divórcio da União Europeia (UE) em termos duros, incluindo a saída do mercado único e o fim da livre entrada de cidadãos europeus no país.

May também tinha prometido levar para avaliação do Parlamento inglês o acordo final de saída da UE antes de encaminhá-lo ao Parlamento Europeu.

A aposta, porém, provou-se um tiro no próprio sapato escarpin.

Nas eleições realizadas na quinta-feira, 8, os conservadores conquistaram 318 cadeiras, doze a menos do que tinham, e perderam a maioria absoluta.

Foi um desastre para May, que viu destroçado seu capital político e corre o risco de ser apeada precocemente do cargo que ocupa há um ano. A derrota ainda embaralha as tensas negociações do Brexit.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.