Tempestade abrevia visita do papa a cidade atingida por tufão

O papa Francisco, vestido com uma capa plástica para enfrentar as rajadas de vento e a chuva forte, cumpriu neste sábado sua promessa de confortar os sobreviventes do devastador tufão de 2013 nas Filipinas, mas uma nova tempestade o forçou a deixar o local cedo.

O papa chegou por via aérea a Tacloban, epicentro do tufão Haiyan, que devastou a região ao redor da Ilha de Leyte há 14 meses, matando ao menos 6,3 mil pessoas, deixando 1 milhão de desabrigados e deslocando outros 4 milhões.

O vento forte soprou o solidéu da cabeça do papa Francisco. O pontífice vestia o mesmo tipo de capa amarela e transparente usada por centenas de outras pessoas na área para se proteger da tempestade tropical Mekkhala, cujos ventos chegaram a 130 km/h.

Em uma missa celebrada nas proximidades do aeroporto, Francisco deixou de lado a homilia que havia preparado e deixou uma mensagem pessoal, emocionada, de conforto aos sobreviventes.

O papa disse a eles que havia prometido fazer a viagem em novembro de 2013, quando viu o noticiário sobre a devastação causada pelo Haiyan. “Senti que tinha de estar aqui”, disse.

Francisco, falando por meio de um intérprete que traduzia suas palavras do espanhol para o inglês, disse “respeitar os sentimentos” daqueles que se sentiam negligenciados por Deus por causa do desastre, mas implorou aos ouvintes que continuassem com sua fé.

“Muitos de vocês perguntaram ao Senhor ‘Por que?’ E para cada um de vocês o Senhor está respondendo de seu coração para os seus corações… tantos de vocês perderam tudo. Não sei o que dizer a vocês, mas o Senhor sabe o que dizer”, afirmou.

Cerca de 3 mil vítimas foram enterradas em uma sepultura coletiva de quase meio hectare na cidade. Centenas de outras nunca foram encontradas.

O papa pediu à multidão que guardasse um momento de silêncio e agradeceu àqueles que ajudaram nos esforços de resgate na sequência da pior tempestade que já atingiu o país.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)