Suíça inaugura túnel ferroviário de 57 quilômetros, o maior do mundo

O Gotthard Base Tunnel (GBT) levou 17 anos para ser construído

Dezessete anos após o início das construções, o maior e mais profundo túnel ferroviário do mundo foi inaugurado nesta quarta-feira. A obra atravessa os Alpes Suíços e desde o início foi tratada como a “construção do século” no país – e, como manda a tradição, foi posto em funcionamento no exato tempo previsto.

A aguardada inauguração contou com a presença de importantes líderes europeus: a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês, François Hollande, e o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, estiveram entre os passageiros da primeira viagem pelo túnel.

O Gotthard Base Tunnel (GBT) tem 57 quilômetros de comprimento e conecta o norte ao sul da Europa em alta velocidade, com trens saindo da cidade suíça de Erstfeld e indo até Bodio. Quando estiver em pleno funcionamento, a partir de dezembro, a viagem de Zurique até Milão, na Itália, irá durar duas horas e quarenta minutos, quase uma a menos do que o tempo atual. O número de passageiros que utilizam as ferrovias no país diariamente deve crescer de 9 mil para 15 mil até 2020 devido à construção, afirmou o serviço federal de rodovias. O governo da Suíça também acredita que o túnel irá revolucionar o transporte de cargas no continente.

Leia também:

7 incríveis e pouco conhecidas obras arquitetônicas

O projeto custou mais de 12 bilhões de francos suíços (cerca de 43 bilhões de reais) e foi aprovado pela população do país em um referendo em 1992. Dois anos depois, os eleitores também confirmaram uma proposta de grupos ambientalistas para transferir todas as viagens de frete do país via caminhões para trens, que poluem menos. Para inaugurar a obra dentro do prazo, foram necessárias 48 mil horas de trabalho ininterrupto, com 125 operários se revezando em três turnos.

Apesar de a Suíça ter acabado de bater o recorde de comprimento, outros países já buscam roubar o título. O governo chinês planeja a construção de um túnel que atravessa o estreito de Bohai com 123 km, mais que o dobro do GBT.

(Da redação)