Soterrado por 80 horas, homem é resgatado com vida no Nepal

Rishi Khanal, de 28 anos, sobreviveu sem ter comido ou tomado água durante o período em que esteve preso. O único ferimento dele foi uma perna quebrada

Uma equipe formada por socorristas nepaleses e franceses resgatou nesta terça-feira um homem que ficou aproximadamente 80 horas entre os escombros de um apartamento que desabou parcialmente em Katmandu, a capital do Nepal. Rishi Khanal, de 28 anos, apresentou apenas uma perna quebrada. A operação para retirá-lo do local durou em torno de cinco horas.

Leia também:

Lista: terremoto destrói patrimônio histórico do Nepal

Vídeo de alpinista registra pânico no Everest durante o terremoto

Lista: Vídeos mostram destruição e desespero durante terremoto no Nepal

Khanal estava no segundo andar de um prédio quando o terremoto de 7,9 graus de magnitude atingiu o país. Ele ficou preso em uma sala junto dos corpos de três pessoas que morreram no local. O homem não teve acesso à comida nem água durante o período em que esteve entre os destroços. “Parece que ele sobreviveu somente por causa de sua força de vontade”, disse Akhilesh Shrestha, o médico que tratou dos ferimentos da vítima.

A construção onde Khanal se encontrava tinha sete andares, mas apenas as partes inferiores colapsaram e bloquearam as saídas. As equipes de resgate descobriram que o homem se encontrava no prédio após terem ouvido gritos vindos do local. Como Khanal também era capaz de ouvir os socorristas, eles conseguiram se comunicar.

Leia mais:

Itamaraty localiza 96 brasileiros no Nepal, nenhum ferido

UE destina três milhões de euros para assistência ao Nepal

Nepal: 250 pessoas estão desaparecidas após avalanche em vilarejo

Foram contabilizados até o momento mais de 4.600 mortos em decorrência do terremoto, mas as autoridades temem que o número possa ultrapassar os 10.000. O Exército foi deslocado para as áreas atingidas pelos tremores para ajudar a encontrar pessoas que possam estar vivas debaixo dos destroços. Cães farejadores também têm sido utilizados para facilitar as buscas pelas vítimas.

(Da redação com agência Reuters)