Síria diz que participará de negociações e admite trégua

Porém, ditador Bashar Assad não está disposto a ceder poder à oposição

A Síria planeja participar das negociações internacionais de paz como um meio para chegar a um governo nacional de “verdadeira cooperação”, disse nesta segunda-feira o chanceler sírio, Walid al-Moualem. No entanto, o ministro de Relações Exteriores disse que o governo de Bashar Assad não entregará o poder à oposição.

Leia também:

Leia também: Rebeldes sírios dizem ter recebido armas de ‘países irmãos’

Moualem disse que deve haver um cessar-fogo se as negociações de fato ocorrerem em Genebra, e que as autoridades em Damasco estão dispostas a discutir mecanismos para monitorá-lo. O chanceler pediu aos vizinhos da Síria para não armar os rebeldes que lutam para derrubar Assad, e disse que a decisão tomada no sábado por países ocidentais e árabes de armar os rebeldes vai prolongar a crise e aprofundar o derramamento de sangue.

“Não vamos a Genebra para entregar o poder ao outro lado”, disse Moualem. “O objetivo é estabelecer uma verdadeira associação e um amplo governo de união nacional que inclua representantes de todas as categorias do povo”, afirmou. “Se a condição é que o presidente Assad renuncie, não se incomodem em participar. O presidente Assad não renunciará”, completou o ministro, em referência à principal reivindicação da oposição.

(Com agências France-Presse e Reuters)