Sete marinheiros são encontrados mortos em destróier americano

Americanos estavam desaparecidos desde sexta-feira, quando o navio de guerra dos EUA colidiu com um cargueiro filipino em águas japonesas

Os corpos de sete marinheiros foram encontrados em um compartimento inundado do destróier norte-americano USS Fitzgerald, que colidiu com um cargueiro filipino na costa do Japão na última sexta-feira (16), segundo informou neste domingo o comando da Sétima Frota da Marinha dos Estados Unidos.

“Com as equipes de busca e salvamento ganhando acesso aos espaços que foram danificados durante o acidente, os marinheiros desaparecidos foram localizados”, diz o comunicado da marinha americana. O vice-almirante Joseph P. Aucoin afirmou que as buscas no mar foram encerradas e que o contratorpedeiro teria afundado se não fosse o esforço da tripulação.

“O dano foi significativo. Há um grande corte sob a água. Uma porção significativa da tripulação estava dormindo quando o destróier colidiu com o cargueiro, destruindo a cabine do comandante”, afirmou ele.

Segundo a marinha americana, o navio ainda opera com potência própria, mas sua propulsão é limitada. “O USS Fitzgerald sofreu danos em seu lado estibordo acima e abaixo da linha da água. A colisão resultou em algumas inundações. A extensão total dos danos ainda está sendo verificada.”

A embarcação, que levava uma tripulação de 330 homens, pertencia à classe Arleigh Burke de destróieres lança-mísseis. O USS Fitzgerald tem base em Yokosuka e apoia missões de paz e segurança na região Ásia-Pacífico.

(Com agência Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Como os donoz da tecnologia suprema causam uma barbeiragem Dessas?

    Curtir

  2. ITAMAR SILVA

    O cinismo da notícia afronta a nossa inteligência. A “busca no mar” foi uma notícia tergiversadora dos fatos reais. Marinheiros que estavam no compartimento inundado foram trancafiados neles, com suas portas estanques, para que a belonave não afundasse. Quem fechou a porta, para controlar o dano, e sob ordem do comandante, sabia que ia ceifar vidas que não conseguiram se retirar do local. Infelizmente o comandante tinha que dar este tipo de ordem para preservar a vida dos 323 restantes e do próprio navio, um equipamento de US$ 1,850 bilhão, e com 75 unidades previstas e 62 entregues para a Marinha. Acidentes como este, com este tipo de solução, fazem parte do “negócio” de ser soldado.
    Inexplicável é como um navio que pode acertar um alvo a 2.000 quilômetros de distância não consegue se livrar do choque com um monstrengo que deveria pesar mais de 100.000 toneladas.

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    Parece fruto de uma tremenda barbeiragem.

    Curtir

  4. Jobis Buffon

    Porque nenhuma reportagem fala o motivo da barbeiragem suprema?

    Curtir

  5. Luiz Chevelle

    Como diria minha vó, o comandante é cangueiro.

    Curtir

  6. Karaaiii…..quem tava pilotando essa coisa…a Dilmahh? Pode isso Arnaldo.

    Curtir