Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rússia realiza exercícios de defesa aérea perto da fronteira com a Ucrânia

Informação foi divulgada por agência de notícias oficial russa. Base receberia 3.500 soldados para os testes, que ocorrem em um momento de tensões elevadas entre o Kremlin e a comunidade internacional

A agência de notícias estatal RIA Novosti informou nesta quinta-feira que a Rússia deu início a “exercícios de defesa aérea de larga escala” em uma base localizada cerca de 450 quilômetros ao leste da fronteira com a Ucrânia. A base de Kapustin Yar receberá 3.500 soldados e mais de 1.000 equipamentos militares durante aproximadamente um mês. Os testes serão concluídos com exercícios de tiro real, envolvendo os mísseis S-300 e Buk M1, além de outros sistemas de defesa aérea, acrescentou a agência.

Leia também:

Homens armados barram observadores internacionais na Crimeia

Representante da ONU é ameaçado por milícia na Crimeia

EUA anunciam sanções contra responsáveis por instabilidade

“É a primeira vez que todas as unidades de defesa aérea de um distrito são reunidas em um único lugar”, disse à RIA o porta-voz do distrito militar do oeste, coronel Oleg Kochetov. “Este é o maior exercício já feito por unidades deste tipo no distrito”, completou , ressaltando que os testes fazem parte de um programa regular de treinamento de combate.

Apesar da afirmação de que os testes fazem parte de um programa ‘regular’, eles ocorrem em um momento de alta tensão na Ucrânia, com a Rússia desconhecendo o governo interino formado depois da destituição do presidente pró-Moscou Viktor Yanukovic.

O Pentágono também anunciou um reforço em sua colaboração com as missões de policiamento da Otan, enviando seis caças F-15 e uma aeronave K-135 da Grã-Bretanha para a base aérea de Siauliai, na Lituânia. Na quarta, o Departamento de Defesa americano já havia anunciado que sua participação em exercícios de força aérea seria reforçada na Polônia, com o envio de doze caças F-16. Os aviões devem chegar à base Lask, no centro da Polônia, na segunda-feira, quando 300 funcionários militares americanos também desembarcam na Polônia.

Na terça-feira, o presidente Vladimir Putin ordenou o retorno aos quartéis de 150.000 soldados que haviam sido deslocados para exercícios militares no centro e no oeste do país, perto da fronteira com a Ucrânia. O porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, declarou que o chefe de Estado emitiu a ordem depois de receber um relatório do comando militar sobre o sucesso das manobras. A Rússia negou que a decisão tenha a ver com a crise na Ucrânia. No início desta semana, Putin acompanhou a fase final de treinos militares no polígono de Kirilovski, na região de Leningrado, no noroeste do país.

A Crimeia, península no sul da Ucrânia, está dominada por tropas russas desde a queda de Yanukovich. Nesta quinta, o Parlamento local aprovou a realização de um referendo no próximo dia 16, duas semanas antes do inicialmente planejado, para que os cidadãos – em sua maioria de origem russa – possam escolher entre continuar fazendo parte da Ucrânia, mas com uma maior autonomia de Kiev, ou integrar-se à Rússia. Decisão que foi considerada ilegal pelos Estados Unidos e pela União Europeia.