Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Relatório revela tortura sistemática em prisões ilegais da China

O país mantém um sistema de 'prisões negras', cárceres ilegais, em Pequim e em outras regiões. À margem da lei, locais são antros de tortura e maus-tratos

Os quartos de hotel e fábricas utilizadas como prisões ilegais, onde milhares de pessoas – a maioria mulheres – são torturadas diariamente para evitar que suas queixas sobre o governo cheguem aos ouvidos da sociedade, se multiplicaram por toda a China, revelou nesta terça-feira a ONG Chinese Human Rights Defenders (defensores chineses dos direitos humanos, em tradução literal). Em um extenso relatório intitulado ‘Vamos te espancar até a morte com impunidade’, a ONG reúne milhares de casos de cidadãos que sofreram abusos nos últimos cinco anos em centenas de ‘prisões negras’ em Pequim e em onze províncias do país.

“‘Chamamos de prisões negras porque estão fora do conhecimento do público, escondidas ou disfarçadas como ‘hotéis’ ou ‘fábricas’, e porque são ilegais. Ou seja, estão escondidas do público e da lei. Portanto, seus responsáveis podem cometer torturas e maus-tratos com impunidade”, explica Wendy Lin, coordenadora da ONG em Hong Kong. A maioria dos cidadãos que são trancados em prisões negras são os chamados peticionários, pessoas que viajam para Pequim para protestar perante o governo central por uma resposta para problemas não resolvidos pelos políticos de suas regiões de origem. Eles compartilham ‘celas’ com prostitutas, dissidentes ou ativistas.

Leia também

China não aceita retorno do Dalai Lama ao Tibete

China prende ativistas temendo onda de manifestações

China aumenta controle de serviços de mensagens na internet

O motivo foi que sua filha seria esterilizada à força por ordens do governo e Wang, da província oriental de Shandong, planejava viajar para Pequim para protestar. A prisão teve como objetivo impedir Wang de se manifestar e fazer com que sua filha saísse do esconderijo para ser capturada. A família chamou a polícia para que Wang fosse resgatada da prisão negra, mas os agentes não quiseram se envolver em um assunto em que o departamento de Planejamento Familiar já estava envolvido.

“As autoridades continuam negando a existência dessas prisões, enquanto oficiais locais não param de prender pessoas para ganhar pontos no trabalho por manter a estabilidade social”, revela o relatório. O número de prisões negras aumentou desde que os campos de reeducação, onde era possível trancar qualquer pessoa por até três anos sem julgamento, foram fechados no fim de 2013 após a revelação de graves casos de torturas.

(Com agência EFE)