Raúl Castro torna lei último desejo de Fidel

O ex-ditador cubano pediu que seu nome não fosse estampado em monumentos e homenagens, como nomes de ruas na Ilha

Não haverá estátuas, ruas ou praças com o nome de Fidel Castro em Cuba, determinou uma nova lei aprovada na terça-feira. A decisão reproduz a última vontade do ditador que comandou a Revolução cubana, morto em 25 de novembro, aos 90 anos.

Adotada por unanimidade, a nova lei proíbe o uso do nome de Fidel “para denominar instituições, praças, parques, avenidas, ruas e outros locais públicos, assim como qualquer tipo de condecoração, reconhecimento ou título honorífico”. A legislação também proíbe o uso da figura de Fidel “para erguer monumentos, bustos, estátuas, faixas comemorativas e outras formas de homenagem” em locais públicos da Ilha, segundo a imprensa cubana.

Ainda de acordo com a lei, o nome de Fidel não poderá aparecer em “marcas e outros signos distintivos, nome de domínio e desenhos com finalidades comerciais ou publicitárias”. Durante sua homenagem ao irmão, Raúl recordou que “ele rejeitava qualquer manifestação de culto à personalidade e foi consequente com esta posição até nas últimas horas de sua vida”, por isso, não gostaria de ter seu nome utilizado para diversos fins.

A nova lei, porém, permite que o nome de Fidel seja utilizado para denominar uma instituição de estudos sobre sua “trajetória na história” de Cuba e também não exclui que artistas se inspirem no líder cubano para criar uma obra. A imprensa oficial não informou as sanções previstas para quem violar a nova lei.

(Com AFP)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Até que enfim,deram uma dentro!Quanto mais rápido se esquecerem deste traste,melhor!!!

    Curtir

  2. Julio Rodrigues Neto

    Não irão mais construir lá, uma ciclovia Vermelha ?

    Curtir

  3. Vanessa Pereira

    Que besteira. A cara desse ditador estampa as camisetas de retardados no mundo todo. Fidel e Che Guevara são a alegria dos capitalistas.

    Curtir