Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quem são os eleitores de Macron e Le Pen?

A eleição deste domingo mostra um país dividido entre o eleitorado urbano, instruído e o operário, rural

A capital francesa definitivamente não é um microcosmo a partir do qual a França pode ser estudada. Encontrar um eleitor da extrema direita é coisa rara. O debate em Paris se dá apenas no grau de entusiasmo com o qual se vai apoiar Emmanuel Macron no segundo turno: com convicção plena ou apenas para barrar a vitória de Marine Le Pen.

Jean-Michel Pace, um consultor de informática de 61 anos que mora no 18º distrito da capital, está no primeiro grupo. Apoiou Macron desde o primeiro turno e tenta convencer os amigos de esquerda menos entusiasmados com o candidato. “Talvez pelo passado revolucionário francês, falar em liberalismo por aqui assusta bastante. Principalmente quem é mais próximo do Partido Socialista“, afirma.

Jean-Michel sempre votou na esquerda, mas nesta eleição trocou o Partido Socialista por Emmanuel Macron. Ele faz parte da maioria de 34% dos parisienses que deu a vitória ao candidato do En Marche! no primeiro turno. “Macron propõe uma política aberta, uma sociedade apaziguada. Seu programa permitirá liberar as energias e fazer os franceses tomarem as rédeas de seu destino”, diz o consultor, usando um termo que faz parte vocabulário de Macron. “Liberar as energias” é o eufemismo do candidato para flexibilizar a lei trabalhista, uma das principais promessas de campanha.

Independentemente da ideologia, Macron se dá bem nos conglomerados urbanos, na França moderna. Venceu em quase todo o oeste do país, de regiões prósperas como a Bretanha. Um levantamento do instituto Ipsos indica que o eleitor de Macron não pertence a uma faixa etária específica, mas apresenta um padrão quando o quesito é escolaridade.

O candidato de 39 anos levou o voto de 34% dos dirigentes de empresas ou funcionários em cargos de chefia, mas apenas 17% entre os operários. Transformando o dado em dinheiro: ele obteve apoio de 32% dos que ganham mais de 3.000 euros por mês, mas apenas 14% entre os de salário menor que 1.250 euros.

Ainda restam dúvidas sobre qual será a taxa de migração dos candidatos da direita conservadora, que votou em François Fillon no primeiro turno, rumo a Emmanuel Macron no domingo. Mas no primeiro turno, foi o voto de esquerda, como o do parisiense Jean-Michel, que inflou sua votação, levando 47% dos votos entre os que haviam apoiado François Hollande em 2012.

Le Pen e a França profunda

Euryanthe Mercier tem 22 anos e desde sempre apoiou Marine Le Pen. Ela integra a minoria de menos de 5% dos eleitores da capital que votaram na Frente Nacional. A grande ascensão do partido verificada nos últimos anos se dá principalmente em cidades do interior, principalmente vilarejos, incluindo alguns que historicamente eram de esquerda. É o caso de Mèze, no departamento de Hérault, que deu uma das mais fortes votações a Le Pen no primeiro turno, com 36%. Governado por um prefeito ecologista, o município deu uma guinada à direita.

O forte de Marine Le Pen são o norte do país e as zonas rurais, onde obteve impressionantes 26,7% dos votos, em média, nas cidades com menos de 2.000 habitantes. Em seu eleitorado se verifica um recorte mais claro por idade, levando 25,7% dos votos entre os eleitores de 18 a 34 anos. É o caso de Euryanthe, que se jogou completamente na campanha e tem a árdua tarefa de angariar votos para Le Pen entre seus amigos parisienses.

Estudante de Comunicação e garçonete, ela pertence ao pequeno grupo de jovens da capital a apoiar a Frente Nacional. Acredita que Le Pen é a única que poderá lidar com duas das questões que mais lhe inquietam: o terrorismo e a criminalidade. “Marine é a única com um discurso claro para restabelecer o controle das nossas fronteiras. Ela tem a coragem necessária e que muitos outros não têm”, diz Euryanthe. “Também me preocupo com a proteção da família”, afirma a jovem. “A grande diferença em relação à Macron é que ele quer destruir a família em todos os níveis. E Marine tenta proteger de todas as maneiras”, compara.

Embora pouco numerosos, os jovens parisienses que apoiam a Frente Nacional têm um discurso afiado. Eric Barbosa, um padeiro de 20 anos, é responsável pelo grupo Jovens com Marine, que distribui panfletos nas ruas e organiza pequenos encontros.

Nascido em Schiedam, na Holanda, Barbosa não vê contradição ao apontar a principal razão pela qual apoia a candidata da Frente Nacional: “Porque ela defende a identidade francesa”. “Queremos a França independente, que tenha seu caminho no mundo. O país vive uma crise democrática e econômica. E Macron não oferece nenhuma resposta à essa crise”, contou Eric, com discurso decorado e na ponta da língua, enquanto distribuía um panfleto que questionava: “Quem é o verdadeiro Macron?”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Suprassumo Top

    Perfil dos eleitores??? Facil. Le Pen: eleitores tem que trabalhar para se sustentar. Macron: são sustentados por quem trabalha… Entenderam ou quer que desenhe?

    Curtir

  2. Robson La Luna Di Cola

    Esta eleição na França está provocando os mesmos equívocos entre os leitores, que provocou a eleição americana no ano passado. Quando chamavam a Hillary de “comuna”, não percebiam que ela na verdade, era a representante do establishment americano e mundial. E foi financiada por eles. Fazem a mesma coisa com o Macron, um liberal que trabalhou para banqueiros, mas o chamam de esquerdista. E todos esquecem-se que Marine Le Pen e Trump são NACIONALISTAS.

    Curtir