Quase 4 milhões de crianças refugiadas estão fora da escola

Os refugiados, muitas vezes, vivem em lugares onde os governos já têm problemas para poder oferecer educação a suas próprias crianças

Quase 4 milhões de crianças que foram forçadas a abandonar seus lares e sobreviver em outros países não têm acesso à educação, denunciou nesta quinta-feira a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). A entidade elaborou um relatório sobre a assistência aos centros de educação primária ou secundária, e revelou que 3,7 milhões das 6 milhões de crianças que estão sob seu comando não têm acesso a nenhum centro educacional.

Especificamente, 1,75 milhão de crianças refugiadas não frequentam a escola primária e 1,95 milhão de adolescentes estão na mesma situação em relação ao ensino médio. De acordo com o estudo, os refugiados têm cinco vezes mais possibilidades de não frequentar as aulas que a média mundial de crianças sem acesso à escola.

“A educação dos refugiados está abandonada, quando seria uma das poucas oportunidades de transformar e construir a geração futura para que possam mudar o destino de dezenas de milhares de deslocados forçados que há no mundo”, disse o alto comissário para os refugiados, Filippo Grandi.

Leia também
EUA e Rússia decidem prolongar trégua na Síria
EUA anunciam meta para acolher 110.000 refugiados em 2017
Cate Blanchett e Kit Harrington leem poema para ajudar refugiados

Comparando os dados do Acnur com os da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) sobre matrículas escolares, percebe-se que apenas 50% das crianças refugiadas vão à escola primária quando a média mundial é de 90%.

Tendência é piorar — Outro aspecto que destaca a Acnur é o fato de que cada vez há mais refugiados que são menores de idade, e a tendência é que aumente. A agência lembrou que os refugiados, muitas vezes, vivem em lugares onde os governos já têm problemas para poder oferecer educação a suas próprias crianças, então a logística e os recursos para educá-los envolve um esforço extra.

Mais da metade das crianças refugiadas que não frequentam a escola estão em sete países: Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Quênia, Líbano, Paquistão e Turquia. Um dos exemplos no relatório é o da Síria, onde em 2009, 94% das crianças estavam na escola, e em 2016 esse nível tinha abaixado para 60%. Atualmente, mais de 2 milhões de crianças na Síria não estão na escola.

Nos países que fazem fronteira com a Síria, sobrevivem 4,8 milhões de sírios, dos quais 35% são crianças. Na Turquia, apenas 39% das crianças refugiadas vão para a escola primária ou secundária, 40% no Líbano e 70% na Jordânia, o que significa que quase 900.000 crianças sírias não vão ao colégio.

(Com agências EFE e France-Presse)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. hildo molina

    brasileirinhos que não são refugiados estão em número bem maior fora das escolas. sem contar os que estão por estar.

    Curtir