Quase 100 mortos em ações da Al Qaeda no Iêmen nos últimos 2 dias

(Atualiza com comunicado de grupo jihadista)

Sana, 10 abr (EFE).- Quase uma centena de pessoas morreram em ações da Al Qaeda no sul do Iêmen nos últimos dois dias, informaram nesta terça-feira à Agência Efe fontes militares.

Somente hoje, ocorreram ao menos 23 óbitos, oito soldados iemenitas e mais três supostos terroristas em ataque da Al Qaeda contra um posto de controle militar.

Neste incidente, entre as províncias de Marib e Hadramut, a 190 quilômetros ao sudeste de Sana, ficaram feridos quatro soldados.

Além disso, dez jihadistas e dois combatentes tribais morreram nesta terça-feira em uma emboscada lançada pela Al Qaeda nos arredores da estratégica localidade de Louder, cerca da cidade meridional de Zinjibar, conforme Exército iemenita.

As fontes consultadas revelaram que os terroristas dispararam na última madrugada contra soldados, alguns dos quais estavam dormidos. Os militares revidaram com disparos, mas os atacantes fugiram.

Os incidentes ocorreram depois que ontem ao menos 67 pessoas morressem, entre militares e jihadistas, em confrontos no sul do Iêmen entre o Exército e o grupo ‘Ansar al Sharia’ (seguidores da lei islâmica), vinculado à Al Qaeda.

Ao todo, ao menos 90 pessoas morreram nos últimos dois dias nessas ações do citado grupo jihadista contra as forças da ordem no sul do país.

A ‘Ansar al Sharia’ elevou para 50 os soldados mortos entre ontem e hoje, embora não deu números globais das baixas entre suas fileiras.

Em comunicado, o movimento informou ter assumido o controle de partes da cidade de Louder após dois dias de combates contra as forças iemenitas que protegem a região.

Além disso, assinalou que ocuparam vários postos militares, apreenderam armas e estão assediando o resto da cidade para entrar e ‘limpá-la de mercenários’, em alusão indireta aos combatentes tribais que apoiam as tropas.

O sul do Iêmen se transformou em foco de instabilidade e palco de confrontos entre as forças iemenitas e combatentes da Al Qaeda, que conta com diferentes campos de treinamento. EFE