Descriminalizado há 100 anos, Rússia debate proibição do aborto

"O aborto na Rússia é tão fácil quanto comprar uma garrafa de vodca", disse a senadora Yelena Mizulina

Quase um século depois de se tornar o primeiro país do mundo a legalizar o aborto, o debate sobre a proibição ou a limitação de uma prática plenamente normalizada na sociedade russa ressurgiu com força no país. O patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill, abriu a discussão ao assinar na última terça-feira um pedido para proibir totalmente o aborto no país, um texto promovido por duas organizações e que já conseguiu a assinatura de 300.000 pessoas.

Apesar de sua assessoria ter dito depois que o patriarca assinou o documento – que pede para defender por lei a vida do embrião — “para chamar a atenção sobre o tamanho do problema”, e ter garantido que a posição da Igreja Ortodoxa é de que o pagamento do aborto pela seguridade social deveria ser extinto, o debate já estava aberto.

Leia também
Leões escapam de recinto em zoo da Alemanha; um deles foi morto
Dona de casa do Iraque ‘cozinha cabeças’ de soldados do EI
Vazamento de e-mails sugere possível ajuda de Putin a Trump

“Não é possível fazer frente a tal quantidade de abortos simplesmente proibindo. É preciso mudar a relação da sociedade com essa prática, a ideia de que é uma simples cirurgia”, disse à imprensa a senadora Yelena Mizulina. A senadora lembrou que já foi enviado à Duma, a Câmara dos Deputados da Rússia, há um ano, um projeto de lei para excluir o aborto do plano de saúde obrigatório.

Faltam estatísticas claras e os números oficiais indicam que são feitos de um milhão a dois milhões de abortos por ano. Fato é que desde a descriminalização em 1920, na União Soviética, a interrupção voluntária da gravidez se transformou em uma intervenção médica habitual para as mulheres.

Falta educação — A ausência de uma educação sexual e, principalmente, de métodos anticoncepcionais na União Soviética, chegou a transformar o aborto no único método de planejamento familiar e, segundo as estatísticas oficiais, as mulheres russas fazem uma média de dois abortos ao longo de sua vida. “O aborto na Rússia é tão fácil quanto comprar uma garrafa de vodca”, disse a senadora Yelena em 2013, quando era presidente da Comissão para a Família, a Mulher e a Infância da Câmara.

Conforme a legislação vigente, o aborto é livre e gratuito até as 12 semanas de gestação, e só está sujeito “à vontade da mulher”. O prazo aumenta para até 22 semanas “nos casos de doença grave, viuvez, menor idade, perda de trabalho ou da casa, falta de recursos econômicos para manter a criança, estupro” e algumas outras prerrogativas. A lei afirma ainda que “em caso de recomendação médica, o aborto pode ser feito a qualquer momento” e “o Estado arca com todas as despesas”.

(Com agências EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nos EUA e na Inglaterra, nove entre cada dez mulheres que abortam o fazem por pressão dos familiares e do pai da criança. E é isso que o pessoal pró-aborto entende como “vontade da mulher”.

    Curtir

  2. Micky Oliver

    PAÍS ENORME COM UMA POPULAÇÃO RELATIVAMENTE PEQUENA..NÉ? AGORA VÃO PROIBIR, SENÃO, SECAM OS COFRES!

    Curtir

  3. Fábio Luís Inaimo

    Para uma democratura como a de Putin , que mata ai mundo afora, tanto faz!

    Curtir