Presidente do Irã faz primeira viagem à Europa em 16 anos

Após fim das sanções, Hassan Rohani se encontrará com os chefes de Estado da Itália e da França e com o papa Francisco

O presidente do Irã, Hassan Rohani, viajou nesta segunda-feira para Roma, dando início a uma viagem de quatro dias pela Europa com o objetivo de “expandir os laços” de seu país com o Velho Continente. Na primeira viagem oficial de um presidente iraniano à Europa em dezesseis anos, Rohani se reunirá com os chefes de Estado e outras altas autoridades da Itália e da França, e com o papa Francisco, no Vaticano.

Rohani falou com jornalistas antes de embarcar com a ampla delegação política e econômica que o acompanhará nesta viagem. “O Irã está planejando usar a atmosfera positiva criada após a entrada em vigor do Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA) para estimular o crescimento e o desenvolvimento do país. Esta viagem a Itália e França serve a este propósito”, disse o presidente.

Rohani destacou que a viagem é importante porque acontece em “um momento histórico” e acrescentou que nela assinará dois importantes acordos com os dois países em áreas de transporte aéreo e ferroviário e de cooperação na indústria automotiva. O Irã também anunciou que pretende comprar 114 aeronaves da companhia europeia Airbus até março desde ano. Esta é a primeira viagem ao exterior de Rohani desde o fim das sanções internacionais ao seu país, em 16 de janeiro.

No final de semana, o presidente chinês, Xi Jinping, se encontrou com Rohani em Teerã para “expandir os laços bilaterais para formar uma parceria estratégica abrangente”. Xi e o presidente iraniano chamaram o momento de uma “nova época” nas relações entre os países. O presidente chinês foi o primeiro líder a visitar o Irã desde que as sanções internacionais contra a República Islâmica foram levantadas..

Leia também:

Presidentes do Irã e da China firmam acordo para expandir laços estratégicos

Irã abre ‘novo capítulo’ com fim das sanções, diz Rohani

EUA e União Europeia revogam sanções contra o Irã

(Com EFE)