Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Policial que atacou Supremo venezuelano vai a protesto em Caracas

Óscar Pérez ficou famoso após atacar no mês passado com um helicóptero as sedes do Supremo e do ministério do Interior

O policial venezuelano Óscar Pérez, que no final do mês passado atacou com um helicóptero as sedes do Supremo e do Ministério do Interior, reapareceu nesta quinta-feira e deu entrevista para a Televisión Española (TVE) durante uma manifestação noturna no leste de Caracas, capital da Venezuela.

O piloto da Polícia Científica venezuelana, que ficou famoso após reivindicar o ataque as instituições do Estado em um vídeo divulgado nas redes sociais, se apresentou na noite de quinta-feira (13), na Praça França, no setor Altamira do município de Chacao, onde falou com uma correspondente da “TVE”.

 

O canal espanhol deve transmitir a entrevista nesta sexta-feira (14), onde ele diz, de acordo com trechos obtidos pela Agência EFE, que a melhor homenagem aos mortos durante pouco mais de 100 dias de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, será que ele deixe o poder.

“A verdadeira homenagem é que esta ditadura caia. Portanto, Maduro, você que chamou e pagou seus paramilitares armados, saiba que com os votos não conseguirá nada”, e enfrentará um povo que atuará em “legítima defesa”, disse.

“Se você está pronto  prosseguiu , nós também estaremos prontos para defender o povo. Daremos até a vida, se for necessário”.

O piloto disse em gravações prévias difundidas nas redes sociais após seus ataques armados do mês passado, que não causou vítimas, que foram realizados com “perfeição”.

Pérez disse que atua como parte de uma “coalizão entre militares, policiais e civis”.

Maduro pediu venezuelanos que ajudem na localização e captura do policial, acusado pelo presidente de ser “terrorista e criminoso”.

Policial também é ator

Pérez está sendo caçado pelas autoridades da Venezuela depois de sobrevoar a sede do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) em Caracas com um helicóptero e divulgar uma mensagem na qual exige a renúncia de Maduro.

A ação cinematográfica não é novidade para o que parecer ser uma ação rebelde do policial de 36 anos — em 2015, ele participou do filme “Muerte Suspendida” como um dos protagonistas.

(Com EFE)