Polícia encontra 4 quilos de cocaína em carro do Vaticano

Veículo pertencia a cardeal argentino Jorge María Mejía. As investigações de tráfico, no entanto, não envolvem nem ele nem outros membros da Santa Sé

Dois italianos foram presos pela polícia francesa transportando quatro quilos de cocaína e 200 gramas de maconha em um carro oficial do Vaticano. O veículo pertence ao cardeal argentino Jorge Maria Mejía, de 91 anos, bibliotecário emérito da Santa Sé.

O veículo havia sido encaminhado a uma oficina mecânica, para passar por uma revisão, e os dois italianos resolveram usá-lo para viajar até a Espanha e comprar drogas, supondo que um carro oficial não seria parado. Ao cruzarem os Alpes Franceses, contudo, policiais decidiram examinar o veículo. Constataram que nenhum dos dois homens tinha passaporte diplomático e encontraram a droga em bolsas e malas. Os italianos tentaram argumentar que eram apenas motoristas e não sabiam da existência da droga, mas foram presos em flagrante e serão processados pela Justiça francesa por tráfico de drogas.

Leia mais:

Arcebispo do Rio de Janeiro sofre assalto a mão armada

Papa Francisco está na mira dos jihadistas

Pela 1ª vez, Vaticano vai julgar ex-arcebispo por abuso sexual

Ao jornal argentino La Nación, o padre Luis Alberto Duacastella, o ajudante do cardeal, disse que “sua culpa foi ter confiado em uma pessoa que conhece há dez anos” e que já teve problemas com a polícia. O carro foi entregue na sexta-feira e deveria ser devolvido no domingo, o que não ocorreu. Ele também lamentou o episódio. “Estou muito mal, destroçado, é uma coisa maluca o que aconteceu, não desejo a ninguém”, disse. “Colocaram o cardeal em evidência por algo com o qual ele não tem obviamente nada a ver”.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, defendeu nesta terça-feira o cardeal Mejía: “Posso dizer que as prisões não envolvem pessoas da Santa Sé nem o cardeal. Cabe às autoridades policiais prosseguirem com as investigações”.

Leia também:

Papa vai colocar padroeira de Cuba nos jardins do Vaticano

Papa Francisco celebra primeiros casamentos de seu papado

Nomeado cardeal em 2001 por João Paulo II, Mejía foi uma das primeiras pessoas a receberem uma visita do papa Francisco depois de eleito sumo pontífice. Na ocasião, em março do ano passado, o cardeal estava internado se recuperando de um infarto.

Guerra às drogas – Francisco tem se mostrado um ferrenho opositor à legalização das drogas. Em junho, o papa disse que o vício em substâncias ilícitas é “maligno”. “Eu reafirmo o que tenho dito em outras ocasiões: digam ‘não’ para as drogas. Simplesmente isso”, afirmou Francisco, durante uma conferência em Roma. Ele também declarou que o tráfico de drogas tem crescido graças a um “comércio deplorável que transcende as fronteiras nacionais”, conforme reportou o jornal Daily Telegraph.