Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pela 1ª vez, EUA se abstêm em votação sobre embargo a Cuba

'Os EUA vão se abster. A decisão é motivada pelas novas relações entre Washington e Havana, inauguradas pelo presidente Obama', disse embaixadora americana

Pela primeira vez em 25 anos, os Estados Unidos optaram por se abster em uma votação da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre o embargo econômico a Cuba nesta quarta-feira. A resolução condenou com ampla maioria a medida adotada pelos americanos e que só pode ser retirada se o Congresso do país permitir. Foram 191 votos condenando o embargo e duas abstenções – dos EUA e de Israel, que sempre segue o voto dos americanos no caso. Nos outros anos, Washington e Israel sempre votavam “não”.

“Hoje, os Estados Unidos vão se abster. A decisão é motivada pelo novo curso das relações entre Washington e Havana, inauguradas pelo presidente Barack Obama”, disse a embaixadora americana na ONU, Samantha Power, sob muitos aplausos dos diplomatas presentes no Palácio de Vidro.

Leia também
Trump violou embargo à Cuba em 1998
Obama nomeia embaixador em Cuba após mais de meio século
Quatro conselhos para quem vai viajar para Cuba

Segundo a representante, “a política de isolar Cuba não funcionou”. Porém, Power afirmou que a abstenção no voto não significa que seu governo esteja de acordo com todas as políticas adotadas pelo governo da ilha. “Estamos profundamente preocupados pelas graves violações de direitos humanos que o governo de Havana continua a cometer”, ressaltou.

Cuba e Estados Unidos estão, desde dezembro de 2014, em um processo de reatar as relações diplomáticas. Obama e Raúl Castro já se comprometeram em realizar uma série de avanços na relação, mas o embargo econômico, que vigora desde a década de 1960, só pode ser retirado pelo Congresso. Como a Casa tem maioria republicana, Obama não conseguiu fazer com que os parlamentares retirassem a medida.

(Com ANSA)