Após fortes protestos, Polônia rejeita proposta antiaborto

Cerca de 100.000 mulheres vestidas de preto participaram de passeatas em toda a Polônia para protestar contra a proposta

Os parlamentares da Polônia rejeitaram nesta quinta-feira planos para proibir quase totalmente o aborto no país, em uma votação organizada às pressas e que marcou o primeiro grande revés dos conservadores governistas após manifestações de dezenas de milhares de mulheres nas ruas. A proposta foi rejeitada por 352 votos, contra 58 favoráveis.

O partido governista Lei e Justiça (PiS) retirou inesperadamente seu apoio à proposta, apresentada ao Parlamento por um grupo independente antiaborto, em uma reunião de um comitê parlamentar no final da quarta-feira. “O PiS continua a apoiar a proteção da vida”, disse o líder partidário Jaroslaw Kaczynski ao Parlamento. “E irá continuar a adotar ações a este respeito, mas serão ações ponderadas”.

LEIA TAMBÉM:
Revolta popular contra proposta antiaborto ocupa ruas da Polônia
Comissão parlamentar polonesa rejeita proibição de aborto

Cerca de 100.000 mulheres vestidas de preto participaram de passeatas em toda a Polônia na Black Monday (Segunda-feira Negra) para protestar contra os planos de endurecer as regras já rígidas para a realização de abortos.

Algumas das manifestantes já votaram no PiS, o que preocupou o partido socialmente conservador e eurocético, que chegou ao poder em outubro prometendo ajudar os poloneses mais pobres e intensificar o papel do Estado na economia.

Segundo os planos rejeitados, o aborto só seria permitido na eventualidade de um risco direto à vida da mãe, e não mais em casos de estupro, incesto e grandes riscos de saúde para a mãe ou quando o bebê provavelmente terá deficiências permanentes. O projeto de lei previa penas de prisão para as mulheres que interromperem voluntariamente a gravidez e para os médicos envolvidos na prática.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Roberto Flores Martins

    Assassinatos de bebês agora é legal na Polônia, a terra do grandioso Papa João Paulo II! Quem diria que a destruição dos valores cairia tanto neste país de reconhecida tradição católica?

    Curtir

  2. Cesar8002UTB

    Impressionante como uma MINORIA de monstros e assassinos consegue se impor sobre a maioria.
    É a pura verdade que o MAL só precisa que os bons se acovardem.

    Genocidas imundos.

    Curtir