Palestina é morta após tentar esfaquear guardas de Israel na Cisjordânia

Uma palestina foi baleada e acabou morrendo após tentar esfaquear guardas israelenses em um posto de controle no território ocupado da Cisjordânia, informou nesta segunda-feira o Ministério da Defesa de Israel. O incidente ocorreu junto ao local conhecido como Eliahu, próximo à colônia de Alfei Menashe e à cidade palestina de Kalkilia. O Ministério da Defesa de Israel afirmou que a agressora não atendeu às ordens para que parasse e acabou sendo baleada pelos agentes de segurança no local. Ela foi identificada como Rasha Muhammad Oweisi, de 24 anos e natural de Kalkilia, segundo a agência de notícias palestina Ma’an. Após o ataque, as autoridades encontraram um bilhete que a palestina deixou para sua família.

“Faço isso com plena consciência, em defesa da minha terra, dos homens e mulheres jovens do meu povo. Não posso suportar o que vejo e não posso sofrer mais”, diz a carta, segundo a edição digital do jornal Times of Israel. O jornal divulgou uma fotografia repassada pelo Ministério da Defesa na qual é possível ver uma faca sobre uma carta escrita em árabe. O bilhete, de acordo com a Ma’an, também tinha um pedido de desculpas à família.

Leia também

Idosa palestina é baleada ao tentar atropelar soldados israelenses na Cisjordânia

Netanyahu avalia proibir a residência de palestinos em Jerusalém Oriental

Novo ataque deixa israelense ferido e dois agressores ‘neutralizados’

O incidente ocorreu após uma jornada de violência no domingo, quando seis israelenses foram feridos e dois agressores palestinos mortos a tiros pelas forças de segurança em pelo menos três ataques na Cisjordânia, um deles perto do local onde aconteceu a tentativa de esfaqueamento de hoje. Desde que se intensificou a onda de violência na região, no início de outubro, 76 palestinos, onze israelenses, um eritreu e um árabe-israelense morreram.

(Da redação)