Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

ONU condena e pede o fim da repressão síria contra civis

Pelo menos 29 pessoas morreram pela repressão das forças de Assad

A Assembleia Geral das Nações Unidas condenou nesta terça-feira a repressão do governo da Síria contra a população civil e pediu o fim imediato da violência que já causou mais de 3.500 mortos desde março. A Assembleia aprovou uma resolução de condenação à Síria com o voto favorável de 122 países, enquanto foram registradas 41 abstenções e 13 votos contra, como os do Irã, Equador, Venezuela, Cuba, Nicarágua, Mianmar e Coreia do Norte, entre outros.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança do ditador, que já mataram mais de 3.500 pessoas no país, de acordo com a ONU, que vai investigar denúncias de crimes contra a humanidade no país.
  3. • Tentando escapar dos confrontos, milhares de sírios cruzaram a fronteira e foram buscar refúgio na vizinha Turquia.

Leia mais no Tema ‘Revoltas no Mundo Islâmico’

Pelo menos 29 pessoas, entre elas seis menores, morreram hoje pela repressão das forças do regime de Bashar Assad em várias províncias da Síria, segundo os Comitês de Coordenação Local. O grupo opositor detalhou que houve onze mortes na província de Homs, sete em Hama, seis em Idleb, quatro em Deraa e uma em Deir Zur.

Os Comitês detalharam que quatro dos menores morreram na localidade de Houle, em Homs. Dois deles foram assassinados por um franco-atirador e outro em um tiroteio, e por enquanto se desconhece as circustâncias da morte do quarto. Os Comitês acrescentaram que entre as vítimas em Idleb há três irmãos que morreram depois que as forças de segurança abriram fogo contra o seu veículo.

As províncias de Homs, Idleb, Deraa e Hama são os principais focos de oposição ao regime de Assad. Essas informações não puderam ser verificadas de forma independente pelas restrições impostas pelas autoridades sírias aos jornalistas.

Repreensão – A expectativa é que, na próxima quinta-feira, os ministros árabes de Relações Exteriores se reúnam no Cairo para decidir se impõem sanções econômicas e políticas contra Damasco. Na semana passada, a Liga Árabe deu um prazo de três dias à Síria para pôr fim à repressão na revolta contra o regime, sob a ameaça de sofrer “sanções econômicas”.

(Com agência EFE)