Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama para Maduro: atenda as reivindicações do povo

Presidente dos EUA critica violência nos protestos e aconselha colega venezuelano a libertar manifestantes presos e a ouvir as queixas da população

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou nesta quarta-feira a violência nos protestos na Venezuela e pediu que o governo de Nicolás Maduro atenda as “reivindicações legítimas” do povo, ao invés de desviar a atenção dos problemas do país expulsando diplomatas americanos com “falsas acusações”.

Leia também:

Morre a miss alvejada na cabeça em protesto na Venezuela

Em vídeo, opositor pede que manifestantes continuem nas ruas contra Maduro

Em mensagem à imprensa no final da cúpula da América do Norte realizada na cidade de Toluca, no México, Obama aconselhou o governo venezuelano a libertar os manifestantes que foram detidos nos protestos e a estabelecer um “diálogo verdadeiro” com a oposição.

“Ao invés de desviar a atenção de seus próprios fracassos expulsando diplomatas americanos com falsas acusações, o governo deveria se concentrar em atender as reivindicações legítimas do povo venezuelano”, afirmou o presidente americano.

Na segunda-feira passada, Maduro responsabilizou os EUA por conspirar contra seu governo e estar por trás das manifestações nas ruas de Caracas. Ele deu um prazo de 48 horas para que os funcionários da Embaixada americana Breeann Marie McCusker, Jeffrey Gordon Elsen e Kristofer Lee Clark deixassem a Venezuela. Também o chanceler do país sul-americano, Elías Jaua, acusou “funcionários de diferentes níveis” dos EUA de promover grupos violentos e de oferecer apoio financeiro a eles através de “organizações de fachada”.

Obama disse que, juntamente com a Organização dos Estados Americanos (OEA), fazia um pedido para que o governo venezuelano “liberte os manifestantes que foram presos e realize um diálogo verdadeiro (com a oposição)”.

“Todas as partes têm que trabalhar em conjunto, se distanciar da violência e restaurar a tranquilidade”, afirmou o chefe de Estado americano, após classificar como “inaceitáveis” os incidentes nas manifestações. Ao menos cinco pessoas morreram diretamente por causa de conflitos nos protestos – uma sexta morte, de uma mulher que sofreu um ataque cardíaco e morreu em uma ambulância presa no tráfego interrompido pelas manifestações, foi relatada pela TV estatal.

Nesta quarta-feira também morreu uma estudante de 22 anos, eleita Miss Turismo do Estado de Carabobo. Génesis Carmona foi baleada na cabeça nas ruas de Valência, a 170 quilômetros de Caracas, durante mais uma manifestação contra o governo. Levada ao hospital, ela chegou a ficar internada em coma, mas não resistiu aos graves ferimentos.

Leia mais:

Human Rights Watch critica prisão de opositor de Maduro

Morre mais um estudante na Venezuela

Em dia de novos protestos, Venezuela fica sob tensão

Partido opositor venezuelano denuncia invasão à sede

‘Venezuela não é a Ucrânia’, diz Maduro sobre protestos

Desde o início dos protestos contra o governo, o presidente Nicolás Maduro tem tratado a situação como resultado da interferência dos EUA e da incitação à violência por parte do político opositor Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular que está preso sob as acusações de incêndio e danos à propriedade, incitação ao crime e formação de quadrilha. As acusações de homicídio, tentativa de homicídio, terrorismo e lesão corporal grave foram descartadas. As principais queixas dos manifestantes e da oposição na Venezuela são a economia em frangalhos, falta de itens básicos de alimentação e higiene, alta inflação e aumento da criminalidade, além do uso do Estado pelos chavistas com finalidade política.

(Com agência EFE)