Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama: argumento de Putin para atacar a Ucrânia “não engana ninguém”

Em Kiev, secretário John Kerry diz que, se Rússia mantiver agressão, EUA terão de agir para isolar o país “política, diplomática e economicamente”

O presidente Barack Obama voltou a falar nesta terça-feira sobre a crise na Ucrânia e defendeu o direito de o país decidir seu próprio futuro. “Putin (presidente da Rússia) pode dizer muitas coisas, mas os fatos indicam que ele não está respeitando esse princípio”, disse Obama, acrescentando que a Ucrânia marcou eleições presidenciais para maio e que todos deveriam investir em “eleições livres e justas” no país.

Durante entrevista concedida em Washington, Obama criticou a “intromissão” da Rússia na Crimeia, para onde o Kremlin enviou tropas sob a alegação de que é preciso defender a população de etnia russa que vive na república autônoma. Para o presidente americano, essa “intromissão” afastaria outros Estados de Moscou.

Ele acrescentou que o argumento de Putin para sua incursão na Crimeia “não está enganando ninguém”. “Há uma forte percepção de que a ação da Rússia viola as leis internacionais. O presidente Putin parece ter um grupo diferente de advogados fazendo interpretações diferentes. Mas, na minha opinião, ele não está enganando ninguém”, disse.

“A comunidade internacional condenou a violação da integridade territorial e da soberania da Ucrânia. Nós condenamos a intervenção russa na Crimeia. E fazemos um apelo por um recuo na situação e pelo envio imediato de observadores internacionais. Todo mundo reconhece que, mesmo que a Rússia tenha interesses legítimos sobre o que se passa em um país vizinho, isso não lhe dá o direito de recorrer à força para exercer sua influência”.

Leia também:

‘Uso da força não está descartado’, diz Putin sobre a Ucrânia

‘A Rússia está do lado errado da história’, diz Obama

Gigante energética russa anuncia que vai aumentar preço do gás para Ucrânia

Rússia diz que só sai da Crimeia após “normalização da situação política”

Em Kiev, o secretário de Estado John Kerry voltou a demonstrar o apoio americano “ao povo ucraniano”. “Os Estados Unidos reafirmam seu comprometimento com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia. Com base na lei internacional, condenamos o ato de agressão da Rússia”, disse, acrescentando que o governo russo tenta fazer com que se acredite que suas ações são legítimas. “O ponto principal é que a diplomacia, não a força, é capaz de resolver disputas como esta no século XXI”.

Sanções – Segundo Kerry, como o país escolheu não recuar, os Estados Unidos e seus aliados “não teriam escolha” a não ser agir para isolar o país “política, diplomática e economicamente”. As palavras fazem eco à advertência de Obama na véspera, quando também ameaçou isolar Moscou. “Não é apropriado invadir um país e, com o cano de uma arma, ditar o que você está tentando alcançar”, ressaltou, em declarações reproduzidas pelo jornal The New York Times.

Em entrevista a uma emissora italiana, a ex-premiê ucraniana Yulia Tymoshenko fez um apelo às potências ocidentais para que imponham sanções contra a Rússia. “Esforços diplomáticos não são suficientes. Eu acho que é preciso impor sanções econômicas contra a Rússia. Especialmente se houver uma escalada de violência”, disse ao SkyTG24. (Continue lendo o texto)

Enquanto os EUA ameaçam impor as sanções, a União Europeia tenta evitar que elas sejam necessárias. Nesta terça, a chefe da diplomacia do bloco, Catherine Ashton, disse ter tido “conversas proveitosas” com o chanceler russo Sergei Lavrov durante um encontro em Madri. Também salientou que a ameaça de sanções contra o país era “contraprodutiva”.

Leia mais:

UE vira obstáculo a plano americano para deter Rússia

A Rússia, por sua vez, avisou que vai retaliar qualquer sanção imposta pelos Estados Unidos. “Teremos de responder”, disse Alexander Lukashevich, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. “Como sempre em situações como esta, provocadas por ações imprudentes e irresponsáveis de Washington, ressaltamos: esta não é uma escolha nossa”.

Telecomunicações – O chefe de segurança ucraniano, Valentin Nalivaichenko, disse que o sistema de telecomunicações do país foi alvo de ataque a partir de um equipamento instalado na Crimeia para interferir nos telefones celulares, o que afetou alguns serviços telefônicos e de internet. Segundo ele, o ataque teve parlamentares como alvo específico. A empresa de telecomunicações Ukrtelecom confirmou que algumas de suas instalações na Crimeia foram invadidas na sexta-feira.

(Com agência Reuters)