Obama aceita debater alternativas para atual política antidrogas

O presidente americano, Barack Obama, declarou-se neste sábado a favor de um debate sobre alternativas para a atual política antidrogas na América Latina que considere não apenas o tráfico, mas a demanda americana e o fluxo de dinheiro e armas em direção ao sul.

“Não podemos ver o tema da oferta sem considerar o tema da demanda dos Estados Unidos” e devemos trabalhar com países como México “não apenas nas drogas que chegam ao norte, mas nas armas e no dinheiro que vão em direção ao sul”, disse Obama no encerramento da Cúpula Empresarial das Américas em Cartagena.

“Pessoalmente, minha posição e a de minha administração é que a legalização não é a resposta (…) A capacidade de uma grande rede de narcotráfico de dominar alguns países se lhes for permitido operar legalmente seria tão corruptora ou mais que o status quo”, considerou.

“No entanto, acredito que é preciso ponderar as evidências, ter um debate”, afirmou Obama na presença de mais de 500 empresários da região e dos presidentes da Colômbia e do Brasil.

“Somos conscientes de nossas responsabilidades. Acredito que é valioso ter uma negociação sobre se as leis atuais estão fazendo mais mal do que bem em alguns lugares”, disse.

“Chegou o momento simplesmente de analisar se o que estamos fazendo é o melhor que podemos fazer, ou se podemos encontrar uma alternativa mais efetiva e menos custosa para a sociedade em geral”, disse o presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

Santos agradeceu a ajuda americana no âmbito do Plano Colômbia do combate ao narcotráfico, por cerca de 8 bilhões de dólares nos últimos 10 anos.

“Fomos relativamente bem-sucedidos, conseguimos aprender a brigar contra cada elo da rede do narcotráfico (…) No entanto, sabemos que nosso sucesso gerou problemas em outros países, o famoso ‘balloon effect'”, disse.

Santos admitiu que o tema de um debate a uma alternativa à guerra contra as drogas tem uma altíssima sensibilidade política e afirmou que, se for feita uma pesquisa, a maioria da população dirá que não.

“Um extremo pode ser colocar todos os consumidores na prisão, em outro extremo a legalização, no meio podem existir políticas mais práticas, descriminalizar o consumo, por exemplo”, mas nos concentrando na prevenção e no tráfico, acrescentou Santos, que destacou a necessidade de criar um grupo de especialistas sobre o tema, como deseja a Guatemala.

A Guatemala defende a descriminalização do consumo das drogas e a regulação do mercado. “Esperamos (que os centro-americanos) possam abrir este diálogo de forma conjunta”, disse seu presidente, Otto Pérez, em uma entrevista à AFP na sexta-feira.