Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O que significa o ‘não’ da Colômbia sobre o acordo com as Farc?

A rejeição no referendo pelo acordo de paz entre o governo e as Farc inaugura uma nova fase de discussões e negociações na Colômbia

Um momento que já era de comemoração pela paz na Colômbia deu lugar à incerteza e à polarização política no país. No referendo desse domingo, os colombianos rejeitaram o acordo de paz entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias (Farc), que colocava fim a 52 anos de um conflito que deixou mais de 220.000 mortos. A vitória do “não”, com 50,22% dos votos, inaugura um novo período de negociações, que devem ser ainda mais complexas.

Apesar de inesperada, a rejeição do acordo tem duas principais motivações, que foram defendidas pelo ex-presidente Álvaro Uribe, cabeça da campanha pelo não. A primeira é de que as punições previstas aos guerrilheiros das Farc por seus crimes eram muito brandas. O acordo definia que só seriam julgados aqueles que cometeram crimes contra a humanidade, como assassinato, tortura, sequestro e estupro. Mesmo esses, se confessassem seus delitos, receberiam 5 a 8 anos de “restrição de liberdade”, ou seja, não iriam para prisões comuns.

O segundo ponto criticado pelos defensores do “não” é a permissão que membros e, principalmente, líderes das Farc atuem politicamente. Em suas últimas reuniões, o grupo de guerrilha deixou claro que pretendia se converter em um partido político. Uribe e seus apoiadores exigem que os chefes guerrilheiros, responsáveis por diversos crimes durante a guerra, fiquem inelegíveis.

O que acontece agora?

Não está claro o que acontecerá com as negociações de paz na Colômbia após a rejeição do acordo, porém, é certo que precisarão ser dados alguns passos para atrás. No domingo à noite, o presidente da Colômbia e principal nome da campanha pelo “sim”, Juan Manuel Santos, garantiu que “o cessar-fogo bilateral e definitivo segue vigente e seguirá vigente”. “Convocarei todas as forças políticas – e em a particular as que se manifestaram hoje pelo ‘não’ – para escutá-las, abrir espaços para diálogo e determinar o caminho a seguir”, afirmou.

A posição do chefe das Farc, Rodrigo Londoño Echeverri, mais conhecido como “Timochenko”, também foi de insistir em cessar as hostilidades por enquanto. “As Farc mantêm sua vontade de paz e reiteram sua disposição de usar apenas a palavra como arma de construção para o futuro”, comentou, após reunião com líderes da guerrilha em Cuba. O anúncio demonstra que ainda há esperança para uma negociação bem-sucedida.

Leia também:
População da Colômbia rejeita acordo de paz com as Farc
Chega ao fim uma guerra de meio século na Colômbia
Farc e governo colombiano assinam acordo de paz histórico hoje

Quem ganha e quem perde?

A aparente disposição de Santos e Timochenko não é mais suficiente para manter a tranquilidade a longo prazo. Em 2014, Santos foi reeleito para um segundo mandato na presidência com a promessa de paz na Colômbia. Agora, sai desacreditado e enfraquecido da derrota. Na outra ponta, segundo uma análise do jornal colombiano El Tiempo, Uribe e os defensores saem como a “formação política que tem maior sintonia com a opinião pública para as eleições presidenciais de 2018”.

Quais são as saídas?

No momento, qualquer trâmite especial de projetos de lei e reformas constitucionais em prol da paz com as Farc está suspenso, já que dependia da aprovação popular, informa o jornal El Espectador. Duas opções para aprovação de um novo acordo se encaminham: a convocação de uma Assembleia Constitucional, com participação de todos os lados e setores, ou uma renegociação voluntária, encabeçada por Santos, que leve em conta as exigências dos defensores “não”.

Independentemente de como for conduzida, a renegociação será longa e difícil. Enfraquecido, Santos será obrigado a levar em conta Uribe em um novo acordo, que está intransigente quanto à anistia aos guerrilheiros. Por outro lado, é difícil que as Farc aceitem se submeter à prisão e a não participarem da política colombiana. É improvável que as Farc peguem em armas imediatamente, para não prejudicarem o processo, mas o futuro da paz é incerto na Colômbia. O certo é que um cessar-fogo envolverá a participação de Uribe e vai precisar levar em conta as exigências do “não”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Carlos Lopes de Oliveira

    Acordos entre governos e bandidos nunca devem ser acertados. Bandidos são bandidos e devem ser extirpados da nação, mormente quando a sua bandidagem é calcada em terrorismo. Vimos recentemente no Brasil a decisão de um membros do STF quebrar a Constituição para agradar sem vergonhas, e o mal estar que causou na nação. Tivéssemos nós uma justiça com honra e vergonha na cara e teríamos, sim expurgado esse sujeito do STF, assim como a Colômbia tem que expurgar os terrorista que tanto mal fazem àquele país.

    Curtir

  2. A Colômbia está de parabéns. O crime não pode compensar principalmente para os chefões da FARC que devem pagar e muito caro pelos crimes abomináveis que cometeram. Muito dos chefes nazistas foram condenados pelo tribunal de Nuremberg à forca pois cometeram crimes abomináveis. Hoje em dia a pena de morte é convertida em perpétua. Totalmente de acordo com Uribes.

    Curtir

  3. Napoleao Gomes

    Significa que o povo colombiano quer pena de morte para os narcotraficantes das farc!

    Curtir

  4. Sergio Cihgral

    O doutrinamento midiático pós moderno – humanista esquerdista – caracteriza-se pelos seus paradoxos. Declara que é progresso e salutar perdoar os assassinos e torturadores das FARC, e, ao mesmo tempo, defende a punição severa dos nazistas ainda vivos, dos ditadores do passado, e, por aí seguem os paradoxos…

    Curtir

  5. Alex Dos Santos

    Parabéns ao povo colombiano!

    Curtir

  6. Tadeu Passarelli

    .. significa que não podem ser perdoados, mataram. Assassinaram, torturaram, mantiveram pessoas presas por ANOS a fio, são comunistas e portanto mentiroooosos, certo está o povo, NÃO TEM EXÉRCITO NÊSSE PAÍS???😫😫😫

    Curtir

  7. Paulo Bertazzi

    Sinceramente não entendo uma coisa… Governo legítimo negociar com a guerrilha??? Tem de passar fogo nessas Farc. Peçam ajuda dos EUA, Brasil, Peru, Chile e vamos invadir as matas colombianas e exterminar essa ORCRIM

    Curtir

  8. Martin Garcia

    Eu acho um absurdo que pessoas despreparadas sem informações corretas se atrevam a escrever este tipo de artigos. Sou colombiano a favor do “Não” por uma infinidade de motivos que não vou descrever aqui, mas eu esperava muito mais da Veja ao falar sobre uma das piores e mais sanguinárias narco-guerrilhas do mundo (FARC). Só para ressaltar, no parágrafo quem ganha e quem perde, o partido de Santos não é Centro Democrático e sim é o partido do ex-presidente Uribe, quem é a pessoa que mais batalhou para conseguir a vitória de ontem. PARABÉNS COLOMBIA E ALVARO URIBE VELEZ.

    Curtir

  9. Juliano Goncalves

    OK

    Curtir

  10. Juliano Goncalves

    “Creio que os colombianos consideram os comunistas piores do as FArC”

    Curtir