Novelão boliviano: família de ex-namorada diz que filho de Evo Morales está vivo

Morales admitiu romance com Gabriela Zapata, mas afirmou que o filho do casal havia falecido ainda bebê

Em uma declaração surpreendente, o presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu nesta segunda-feira para cuidar de um filho que acreditava estar morto, após um romance com uma mulher agora investigada por enriquecimento ilícito e tráfico de influência. Morales afirmou que a empresária Gabriela Zapata, de 28 anos, ex-companheira do mandatário boliviano, havia dito a ele que a criança havia falecido ainda bebê.

“Eu acreditei nas palavras da mãe do meu filho. E agora se diz que o menino está vivo”, afirmou o presidente. “Se a família permite eu pego a criança, tenho o direito de cuidar dela. Espero que nas próximas horas me tragam, quero assumir minha responsabilidade com a criança”, afirmou Morales.

Leia mais:

Ex-companheira de Morales é detida e investigada por tráfico de influência na Bolívia

Evo Morales, sua amante, um filho secreto e um escândalo de corrupção

Após o revés eleitoral – há uma semana, os bolivianos disseram ‘não’ a um quarto mandato de Morales -, surgiram novos rumores sobre sua relação com Gabriela e o filho. O caso teve mais um capítulo na sexta-feira, com a prisão da ex-namorada do presidente. Durante a recente campanha eleitoral, o presidente admitiu que teve um relacionamento de dois anos com a mulher até 2007, quando soube que o menino havia morrido. Mas no sábado, após a detenção da mulher, uma tia dela afirmou à imprensa local que o menino está vivo e tem entre 8 e 9 anos.

Morales disse que acreditou nas palavras da mãe e disse que se a criança estiver viva será “uma bênção”. Ele questionou por que isso teria sido ocultado dele por quase uma década.

Gabriela Zapata não falou com a imprensa desde o início do escândalo. Ela conheceu Morales quando tinha 18 ou 19 anos, durante a campanha presidencial de 2005. Segundo o próprio presidente, Gabriela assumiu o cargo de gerente comercial da multinacional chinesa CAMC, a empresa que tem mais contratos com o governo boliviano, com projetos de quase 500 milhões de dólares. Ela deixou a empresa há uma semana, após a eclosão do escândalo.

Morales, de 56 anos, é solteiro, mas tem dois filhos jovens, de mulheres diferentes. Nos anos 1990, ele foi envolvido em outro escândalo, quando era deputado e foi pressionado por opositores a reconhecer seus filhos e dar a eles seu sobrenome.

(Com Estadão Conteúdo)