Nigel Farage renuncia após derrota nas eleições da Grã-Bretanha

O líder do partido de extrema-direita favorável ao fechamento das fronteiras e saída da União Europeia não conseguiu ser eleito. Seu partido elegeu apenas um deputado

Nigel Farage apresentou nesta sexta-feira sua renúncia como líder do Partido da Independência do Reino Unido (Ukip, na sigla em inglês) ao não conseguir a cadeira que aspirava nas eleições gerais realizadas nesta quinta-feira na Grã-Bretanha. Farage, porém, disse que “mais para frente irá considerar a possibilidade de voltar a concorrer em setembro” como candidato para liderar a formação.

Ele foi derrotado na circunscrição inglesa de South Thanet pelo candidato conservador. Ao apresentar sua renúncia, o político de extrema-direita disse que era um homem “de palavras”, pois tinha prometido que deixaria a liderança se não ganhasse sua cadeira do condado. Farage indicou que o partido realizará em setembro uma escolha interna para apontar o novo líder e que não descartava voltar a se apresentar para esse posto.

Leia também

Cameron consegue vitória confortável nas eleições britânicas

Miliband vai renunciar como líder trabalhista britânico após derrota em eleição

Nick Clegg renuncia após fiasco eleitoral do Partido Liberal-Democrata

Enquanto isso, o político informou que Suzanne Evans, atualmente vice-presidente do Ukip, será a líder interina até a designação de seu sucessor em setembro. O líder do Ukip, que em 2005 já perdeu nesta mesma circunscrição, considerada de voto variável, obteve 16.026 sufrágios, atrás dos 18.848 de Craig Mackinlay, que curiosamente pertencia à formação de Farage antes de se unir aos conservadores.

Farage reconheceu que, em nível pessoal, se sentia “decepcionado” pela derrota, mas disse que também tinha tirado “um peso de cima”. O político, que é abertamente contra a imigração e defende a saída da Grã-Bretanha da União Europeia (UE), felicitou o primeiro-ministro, o conservador David Cameron, por sua vitória e admitiu o “terremoto” protagonizado na Escócia pelo Partido Nacionalista Escocês (SNP, na sigla em inglês), que aparece como a terceira força parlamentar atrás dos conservadores e dos trabalhistas.

O Ukip de Farage, fundado nos anos 90 e que até o ano passado não tinha representação no Parlamento, chegou às manchetes políticas nas eleições europeias de 2014, quando foi o partido britânico mais votado, com 30% dos votos e 24 eurodeputados. Apesar da derrota de Farage, seu partido conseguiu eleger um deputado. A façanha, no entanto, foi ofuscada, pois na legislatura anterior o Ukip tinha dois parlamentares e as pesquisas apontavam que o partido conseguiria eleger mais de cinco.

(Da redação)