Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Multidão protesta em Londres contra saída britânica da UE

A marcha chamada "Unidos pela Europa" caminha em direção à Praça do Parlamento com bandeiras da União Europeia e cartazes com pedindo o fim do Brexit

Milhares de pessoas marcharam em Londres neste sábado para protestar contra a saída do Reino Unido da União Europeia, quatro dias antes da primeira-ministra Theresa May lançar o início do processo formal de separação do bloco, do qual os britânicos fazem parte há 44 anos – May tem sido firme sobre sua intenção de retirar o Reino Unido do bloco europeu e irá anunciar formalmente o começo do processo de saída, com expectativa de duração de dois anos, na quarta-feira.

Veja também

No início do protesto, manifestantes fizeram um minuto de silêncio em memória às vítimas. Participantes balançavam bandeiras da UE e seguravam cartazes com dizeres como “Qual é o plano?” e “Parem o Brexit” ao se dirigirem ao parlamento. Um dos cartazes dizia “Feliz Aniversário UE”, em alusão ao 60º aniversário, nesta semana, de fundação do bloco, atualmente sendo celebrado em Roma.

Joss Dennis era uma das participantes das três caravanas que vieram de Bristol, no oeste da Inglaterra, local em que 62% da população votou pela permanência na União Europeia no referendo de junho do ano passado, frente a uma média nacional de 52% para saída do bloco. “Com uma votação tão apertada, não vejo como ninguém pode chamar isso de vontade do povo”, disse Dennis. “Um terrível erro foi cometido, mas a situação não está além da redenção”, acrescentou.

A marcha chamada “Unidos pela Europa” acabará com um protesto na Praça do Parlamento, local de um ataque nesta semana realizado por um britânico convertido ao islamismo, no qual quatro pessoas morreram.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Eduardo Soares

    44 anos!? Faltou explicar a história da UE. O embrião foi a União do Carvão e do Aço, depois o Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo), depois o Mercado Comum Europeu MCE (com a participação do Reino Unido). Esta última de mais de quarenta anos.

    Curtir

  2. heitor zanini

    Como vocês podem ser tão tendenciosos?Tudo que for contra o globalismo e as chamadas esquerdas são inimigos do povo na visão deturpada da mídia de uma forma geral.
    Na Inglaterra fizeram um plebiscito e a escolha do povo foi por sair do bloco suicida da União Europeia e isso é o que conta em uma nação que respeita uma votação feita de forma democrática. Não é como o nosso país, onde fazem um plebiscito para o desarmamento ou não da população e implantam exatamente o contrário do que foi escolhido pelo povo. Nosso país realmente não é sério e isso é uma das muitas provas que existem.
    E como essa tal de Joss Dennis quer contestar a vontade expressa do povo, dizendo que isso não é legitimo? Quer dizer que se houvesse um resultado diverso, mesmo que fosse por 0,00001% ai então não teria o que contestar? Dai concluímos que só é legitimo quando o resultado nos é favorável??
    Felizmente para a Inglaterra, parece que o povo soube se livrar da baderna globalista esquerdista.

    Curtir

  3. Osmar Serrragem

    Agora é tarde, bebês…

    Curtir

  4. Gustavo DeCarvalho

    Eu estou preplexo, para ter 60 anos de criação a União Européia teria que ser anterior à Primeira Guerra Mundial. Pessoal, a União Européia não tem nem trinta anos, é um absurdo esse erro tão grotesco.

    Curtir

  5. Gustavo DeCarvalho

    Eu estou perplexo, para ter 60 anos de criação a União Européia teria que ser anterior à Primeira Guerra Mundial. Pessoal, a União Européia não tem nem trinta anos, é um absurdo esse erro tão grotesco.

    Curtir

  6. Gustavo DeCarvalho

    Corrigindo: anterior à Segunda Guerra Mundial.

    Curtir

  7. Jorge Luís dos Santos

    Quem é contra o BREXIT é a favor da silenciosa invasão muçulmana na Europa. A maioria dos governos que permitem a entrada de refugiados árabes SEM CRITÉRIOS, será taxada no futuro de TRAIDORES DA PÁTRIA – mas aí será tarde demais. Os britânicos foram muito prudentes no plebiscito.

    Curtir