Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Moscou convoca número 2 da embaixada americana para explicações

Russos acusam Washington de tentar buscas "ilegítimas" em seus edifícios diplomáticos na ausência de representantes oficiais do Estado russo

A Rússia convocou o número 2 da embaixada americana em Moscou para cobrar explicações dos Estados Unidos, acusando Washington de querer realizar buscas nas instalações de sua missão comercial, fechada pela Casa Branca. “Convocamos o embaixador americano em Moscou, Anthony Godfrey. Ele recebeu uma carta de protesto em conexão com o desejo das autoridades americanas de realizar buscas na missão comercial russa em Washington”, diz comunicado do ministério das Relações Exteriores russo.

Godfrey é atualmente o mais alto diplomata americano em funções em Moscou. O embaixador John Teff anunciou em julho sua intenção de deixar Moscou no início de setembro. “A partir de hoje perdemos o acesso (à missão comercial de Washington), embora este edifício seja de propriedade do Estado russo e goze de imunidade diplomática”, acrescenta o ministério.

Na sexta-feira, a diplomacia russa já havia acusado os Estados Unidos de ameaçar a segurança de seus cidadãos ao querer realizar buscas em seu consulado em San Francisco e nos apartamentos dos funcionários que vivem no prédio. “A ameaça das autoridades americanas criou uma ameaça direta para a segurança de seus cidadãos russos”, declarou a porta-voz da Chancelaria russa, Maria Zakharova, em um comunicado. De acordo com a nota de protesto entregue a Godfrey, a Rússia considera “ilegítimas” as buscas em seus edifícios diplomáticos na ausência de representantes oficiais do Estado russo.

O governo dos Estados Unidos ordenou na quinta-feira o fechamento, antes do fim de sábado, do consulado russo de San Francisco e das missões comerciais em Washington e Nova York, em resposta à drástica redução de 755 diplomatas e funcionários, russos e americanos, na Rússia, ordenada no final de julho por Vladimir Putin em reação às novas sanções econômicas aprovadas por Washington.

(Com AFP)