Morre ex-ditador do Uruguai Gregorio Álvarez, aos 91 anos

Ele presidiu o país entre 1981 e 1985, durante a ditadura militar (1973-1985). Álvarez morreu por causa de uma doença cardíaca

O último ditador do Uruguai, o tenente-general Gregorio Álvarez, morreu nesta quarta-feira, aos 91 anos, vítima de uma doença cardíaca. Ele esteve no poder entre 1981 e 1985, durante a ditadura militar (1973-1985).

Apelidado de “El Goyo”, Álvarez foi um militar ambicioso e calculista, que chegou de forma meteórica às patentes mais altas das Forças Armadas e liderou o regime militar provocando divisões que perduraram até o fim de seus dias. Foi nomeado presidente por quatro anos em 1981, dez meses após os cidadãos rejeitarem em um plebiscito um projeto de Constituição que garantia a continuidade do regime.

Leia também:
Terremoto atinge o Estado de Nevada nos EUA
Turquia e Rússia concordam em proposta para cessar-fogo na Síria
Polícia evacua prédio de Trump após encontrar “pacote suspeito”

Preso em 2007 por atrocidades contra opositores, estava separado de outros militares detidos pelos menos motivos, mas que o detestavam. Em 2009, foi condenado a 25 anos de prisão pelo desaparecimento de quarenta pessoas transferidas da Argentina durante seu mandato à frente do Exército.

História

Nascido em 26 de novembro de 1924 em uma família de militares, foi o terceiro dela a se tornar general. Foi subindo rapidamente de patente e em 1971, com 45 anos, ganhou por concurso o título de general. Ainda na democracia, o Congresso autorizou sua promoção.

No complicado Uruguai do início dos anos 1970, o então general Álvarez liderou o combate à guerrilha urbana Tupamaros, na qual participava o agora ex-presidente José Mujica. Em uma democracia que fervia pela violência política, pelos protestos sociais e pela repressão, participou de negociações clandestinas com os Tupamaros sem que o governo de então estivesse ciente.

No dia 25 de junho de 1972, os Tupamaros assassinaram seu irmão, o general Argias Álvarez, e este fato marcou profundamente sua trajetória militar e política. Teve um papel importante na gestação do golpe de Estado de 27 de junho de 1973. É considerado um dos redatores de pronunciamentos militares que tinham pontos de coincidência com alguns postulados da esquerda.

Sua verdadeira orientação política foi um enigma. Era considerado próximo ao Partido Nacional; uma força política tradicional que se converteu em um tenaz inimigo da ditadura e, em particular, de sua pessoa.

Como chefe das forças de segurança, Álvarez foi responsável por ações contra militantes de esquerda, que posteriormente se revelariam como brutais torturas, assassinatos e desaparecimentos, no âmbito do “Plano Condor” de coordenação repressiva das ditaduras do Cone Sul.

Sua forma de agir o fez ganhar a liderança em boa parte das Forças Armadas. No entanto, sua descarada ambição pessoal também gerou inimizades porque as Forças Armadas uruguaias eram reticentes em personalizar o regime.

Em 1978, se tornou Comandante-em-Chefe do Exército e assumiu a patente de tenente-general. No ano seguinte passou à reserva por ter acumulado 8 anos no generalato.

Em setembro de 1981 os militares o nomeiam presidente, substituindo o advogado idoso Aparicio Méndez.

Oposição

Durante seu mandato, foi acusado de minar as negociações iniciadas pelos militares com os políticos para voltar aos quartéis. Em 1983, o Uruguai registrava muitos protestos contra o regime, e “El Goyo” convocou a formação de um partido que defendesse os postulados do “processo”; eufemismo utilizado na época para se referir à ditadura. Não teve o mínimo eco. Para seu desgosto, a oposição foi ganhando as ruas com grandes protestos.

Inimigo dos políticos, preferiu renunciar antes de entregar o poder a Julio María Sanguinetti; o líder do tradicional Partido Colorado que venceu as eleições de novembro de 1984 e que marcaram a restauração da democracia. Álvarez deixou o cargo em 12 de fevereiro de 1985.

(Com Agência AFP)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Antonio Pedro

    A revista veja deveria rever sua redação, pois quem estampa Plano Condor e cone sul numa mesma matéria sabe que esta sendo de uma ma-fé sem tamanho! Esquerdista estão dominando a redação!

    Curtir

  2. Almerio P. Gaertner

    Não resta dúvida de que a esquerda domina a redação. A matéria por si só fala.

    Curtir

  3. César Augusto

    Qualquer método contra a corja esquerdista que queria implantar uma ditadura stalinista genocida na América do Sul foi válido. Melhor ver um pequeno grupo de terroristas eliminado que as centenas de milhares de inocentes essa escória ia mandar para o paredão se tomasse o poder. Os “pobres coitados” que morreram eram monstros assassinos da pior espécie.

    Curtir

  4. Os nossos generais brasileiros foram de uma capacidade de liderança incríveis, homens de alto valores, inteligentes, disciplinados, homens dos quais aquela geração e essa atual não são dignas. Digo mais, os valores do nosso Exército não mudaram com o passar dos tempos, sua alta capacidade e inteligência continua, sua astúcia no bom sentido de agir na hora certa é pontual. Sinceramente, em todas s história contemporâneas eu estou para ver generais mais capaz que os nossos, falo isso com todas a sinceridade.

    Curtir

  5. * com toda a sinceridade não basta, tem quer ter leitura e base histórica para falar.

    Curtir