‘Missão cumprida’, diz Snowden após meses de vazamentos

Em entrevista ao jornal 'The Washington Post', ex-analista da NSA festeja ter provocado debate público sobre programa de espionagem dos EUA: 'Já venci'

O ex-analista da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA, em inglês), Edward Snowden, que há seis meses delatou o programa de espionagem global dos Estados Unidos, afirmou que sua “missão está cumprida” após o vazamento de milhares de documentos secretos da inteligência americana.

Leia também:

Snowden nega pedir asilo em troca de informações ao Brasil

Obama: vazamento sobre espionagem causou ‘dano desnecessário’

“Para mim, em termos de satisfação pessoal, a missão já está cumprida. Já venci”, declarou Snowden em entrevista publicada na edição desta terça-feira do jornal The Washington Post. Foi a primeira vez que o técnico de inteligência aceitou conversar pessoalmente com um jornalista em Moscou desde que recebeu, em agosto passado, asilo temporário de um ano da Rússia.

Referindo-se ao “debate” que as revelações provocaram, Snowden procurou analisar seu papel no caso. “Assim que os jornalistas puderam começar a trabalhar, tudo o que tinha estado tentando fazer foi validado. Porque, lembrem, eu não queria mudar a sociedade. Queria dar à sociedade a oportunidade de determinar se deveria mudar a si mesmo”, acrescentou o hacker de 30 anos.

Na entrevista, Snowden insistiu que seu objetivo “era que a opinião pública pudesse dar sua opinião sobre como ser governados”. Além disso, ele rejeitou as acusações dos Estados Unidos, onde parlamentares o qualificaram de “traidor” e o acusaram de entregar documentos secretos a países como a Rússia e China.

“Não há nenhuma evidência da acusação que tenho lealdade à Rússia ou à China ou a qualquer outro país em vez dos Estados Unidos. Não tenho relação com o governo russo. Não alcancei nenhum acordo com eles”, assegurou.

Desacreditado – Snowden ainda explicou como apresentou, em pelo menos duas ocasiões, suas dúvidas sobre a as técnicas da inteligância americana a seus superiores. As revelações sobre a magnitude dos programas de espionagem e sobre a falta de controle sobre os mesmo foram desacreditadas.

“Acho que o custo de um debate público franco sobre os poderes de nosso governo é menor que o suposto perigo por permitir que estes poderes continuem crescendo em segredo”, declarou.

Diplomacia – As revelações de espionagem em massa, inicialmente vazadas pelo ex-técnico da NSA aos jornais The Washington Post e The Guardian, provocaram um escândalo diplomático envolvendo os EUA e alguns de seus maiores aliados. Em meio às milhões de comunicações vigiadas, estavam as de líderes políticos como a chanceler alemã Angela Merkel e a presidente Dilma Rousseff.

Leia mais:

Britânicos espionaram a Alemanha, diz jornal

John Kerry admite: espionagem americana foi longe demais

Cameron ameaça agir contra jornais que publicarem dados de Snowden

EUA deixaram de espionar Merkel após relatório interno, afirma jornal

Semana passada, uma resolução contra espionagem, fruto de proposta introduzida por Brasil e Alemanha, foi aprovada pela Assembleia Geral da ONU, com voto de 193 países – inclusive os EUA. As proposições do texto, apesar de não serem obrigatórias como as resoluções aprovadas pelo Conselho de Segurança, carregam um peso político e moral.

A administração Barack Obama vem recebendo pressões de todos os lados para realizar mudanças em seus programas de espionagem. Também na semana passada, a Casa Branca divulgou um relatório elaborado por conselheiros com propostas que, se adotadas, podem limitar a atuação da NSA.

(Com agência EFE)