Millitar trocado por talibãs voltará a trabalhar no Exército

Sargento será incorporado ao efetivo de um quartel no Texas. O Pentágono, no entanto, não informou qual será a função de Bowe Bergdhal

O sargento Bowe Bergdahl, capturado por rebeldes afegãos em 2009 e libertado no final de maio após uma controversa troca de prisioneiros entre o governo dos Estados Unidos e o Talibã, vai voltar a trabalhar no Exército, noticia a imprensa americana. Bergdahl, de 28 anos, retorna à ativa apenas seis semanas após sua libertação. Ele está no momento em um hospital de uma base militar próxima a San Antonio, no estado do Texas, confirmou o Pentágono.

“O sargento Bergdahl concluiu a fase final do processo de reintegração e agora vai voltar à ativa”, informa um breve comunicado oficial. O Pentágono, porém, não informou quais funções o sargento vai exercer na base militar. O texto ainda destaca que a volta do militar à ativa não significa que o inquérito sobre uma possível deserção foi arquivado. “A investigação do Exército sobre os fatos e as circunstâncias que rodeiam o desaparecimento e captura de Bergdahl continua”, ressalta o Pentágono.

Leia também

Ataque no Afeganistão deixa pelo menos 89 mortos

Exército dos EUA vai investigar se Bowe Bergdahl desertou

Vídeo feito por talibãs mostra libertação de militar americano

colegas da unidade do sargento

A libertação de Bergdahl não só provocou controvérsia por causa das especulações sobre seu desaparecimento. O governo do presidente Barack Obama, que liderou os esforços, se tornou um alvo da oposição por causa do preço pago pela libertação: cinco militantes talibãs detidos na prisão de Guantánamo. Em resposta, o secretário de Estado John Kerry justificou a libertação afirmando que teria sido “insultante” e “incompreensível” abandonar um militar americano nas mãos do Talibã.