Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Marcha contra a imigração reúne milhares na Alemanha

Grupo xenófobo protestou em Dresden contra a 'islamização' da Europa. Em resposta, outros milhares foram às ruas para manifestar apoio aos imigrantes

Um grupo alemão que protesta contra as leis de imigração do país e a “islamização” da Europa conseguiu reunir 18 mil pessoas na cidade de Dresden na noite de segunda-feira. A marcha provocou a reação de dezenas de milhares de alemães, que também foram às ruas, mas para repudiar a mensagem dos manifestantes anti-imigração.

Criticado pelo governo alemão, o grupo xenófobo Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente (Pegida) tem realizado passeatas semanais desde outubro. A marcha desta segunda em Dresden foi a que contou com a maior adesão até agora. Observado por um grande número de policiais, o grupo agitou bandeiras alemãs e exibiu cartazes contra a lei de asilo político do país e a chegada de novos imigrantes. Os manifestantes se reuniram em uma praça no centro da cidade. Perto do local, um grupo bem menor, cerca de 3 mil pessoas, segundo a rede britânica BBC, demonstrava apoio aos imigrantes.

Leia também: Mais de 3 mil imigrantes morreram no Meditarrâneo em 2014

Em outras cidades, porém, o número de participantes nas manifestações contra a intolerância do Pegida superaram em larga escala a quantidade de simpatizantes do grupo xenófobo. Na capital Berlim, 5 mil pessoas bloquearam a marcha de centenas de membros do Pegida. De acordo com a agência de notícias alemã DPS, 22 mil manifestantes participaram de marchas em repúdio ao Pegida nas cidades de Stuttgart, Hamburgo e Muenster.

Em Colônia, apenas 250 marcharam contra as leis de imigração, contra milhares de contramanifestantes que foram às ruas. Para mostrar que discorda dos posicionamentos do Pegida, a catedral da cidade apagou as luzes. “Não pensamos nisso como um protesto, mas gostaríamos que os muitos cristãos conservadores que apoiam o grupo pensem no que estão fazendo”, afirmou o deão da catedral, Norbert Feldhoff, à BBC.

Em seu discurso de Ano Novo, a chanceler alemã Angela Merkel criticou o movimento contra a imigração. “Não sigam quem convoca essas manifestações. Seus corações abrigam preconceito e ódio”, afirmou ela. A Alemanha é o país da União Europeia que mais recebe imigrantes, muitos deles muçulmanos refugiados da guerra na Síria.

(Com agência EFE)